domingo, dezembro 23, 2012

.:A OUTRA DO EDGAR:.

[teclado sem acento]

Peguei meu marido com outra.

Foi assim. Abri o Facebook e la estava o bonito numa fotografia da minha cunhada. Ao lado deles, na foto, uma mulher gorda-balofa sorrindo como se nada tivesse acontecido. Ela era feia, descabelada e usava uma roupa que so fazia valorizar cada gordura do seu corpo.

E o susto quando percebi quem era aquelazinha?

A outra, era eu.

Gorda, descuidada, mal-vestida. Quis morrer.

Ta certo que eu decidi aproveitar o meu momento mae e desencanar um pouco da balanca, mas jogar a toalha de vez nao pode, gente!

Como e dificil resistir as tentacoes e sair desse caminho calorico!

Oh, quem podera me ajudar?


[e nao me diga, o Chapolin Colorado]

quarta-feira, dezembro 12, 2012

.:PAREI, PENSEI, DECIDI:.

Pela quantidade de post (2) do último mês (novembro), dá pra notar que não estou muito empenhada com minha alimentação, né?

Por isso, parei pra pensar se deveria continuar com esse diário.

É sabido (afinal são mais de 350 textos sobre isso!) que tenho sérios problemas em estabelecer uma relação saudável com a balança. 

Fiz regime com orientação médica, dieta maluca, promessa pra santo milagreiro, greve de fome e até reduzi o estômago. São muitos anos de luta, muitas histórias que passaram e outras que ainda estão por vir.

O blog foi um divisor de águas na minha vida porque me ajudou a enxergar que (1) o caso é sério, (2) outras pessoas *especiais* passam por isso e são solidárias, (3) o caminho certo só depende de mim e (4) não existe vitória sem renúncia.

Enfim, aprendi muito comigo e com vocês. Cada comentário me levou a uma reflexão, por isso, sou grata a cada um deles.

Hoje estou passando por uma fase diferente. Meu foco está muito mais na minha família do que no meu prato de comida. Eu sei que posso estar equivocada, mas eu tenho um defeito sério (e já disse isso aqui). Eu só faço o que quero e quando quero. E hoje o que eu mais quero é viver o momento com meu filho. Curtir cada minuto, tirar foto, filmar, rolar na cama, fazer caras e bocas para ele dar risada, dar três banhos por dia quando estiver calor, beijar, abraçar, amar!

Hoje não estou preocupada em emagrecer (embora devesse estar).

Hoje eu só quero ser mãe e esposa.


Eu sei. Você vai dizer que eu estou errada, que eu não deveria me deixar tanto de lado, que deveria equilibrar os papéis. Verdade. Só que eu não consigo nesse momento. E resolvi aceitar. Aceitar que eu preciso emagrecer, mas que não vou fazer isso agora.

O que eu prometo é que NÃO vou perder totalmente o foco do emagrecimento e da alimentação saudável. Aqui e ali, vou continuar tentando fazer boas escolhas.

Resumindo, talvez, nesse momento, fosse mais honesto dar um tempo no blog, mas esse espaço é muito importante para mim e não quero abrir mão dele. Eu preciso do blog, preciso escrever sobre o assunto porque escrever me faz pensar. Eu quero um dia voltar a vencer a balança (ainda que seja apenas uma batalha).

Por isso, sinto muito, mas continuarei por aqui. Mesmo que seja apenas para postar de vez em quando e dizer que tudo continua na mesma.

Super entendo quem não quiser mais me seguir ou aparecer por aqui para ver o que está rolando. Porém, um dia (pode ser hoje ou daqui a um século) eu volto com tudo e você vai se orgulhar de mim!

quarta-feira, dezembro 05, 2012

.:O CAUSO DA PADARIA:.

Mais um daqueles causos que só acontecem com as gordinhas.

Semana passada, meu marido e eu tivemos um dia de gordice total e resolvemos enfiar o pé na jaca.

Já fazia mais de duas semanas que estávamos evitando doces, refrigerantes e outras guloseimas. E, por isso, a gente não estava mais frequentando a padaria que tem aqui perto porque ela só tem coisas gostosas.

Mas nesse fatídico dia, resolvi dar um pulinho na padaria para comprar algo bem calórico e delicioso.

Quando cheguei lá, tive a felicidade de encontrar um senhor que mora no meu prédio. Pro meu azar, ele estava atrás de mim na fila da padaria e me viu pedindo:
- Eu quero seis luas de mel. Duas de cada sabor. Quero também seis brigadeiros. Obrigada.

Muito delicadamente igual um hipopótamo ele me diz:
- Nossa menina, isso engorda, viu?

A minha vontade era falar umas boas verdades! Tipo assim: o cigarro que você fuma, mata!

Mas delicadamente, respondi:
- Eu sei, mas não estou preocupada.

Ah tá! Preocupada, eu até estava, mas eu tinha me permitido aquele deslize.

Enfim, até hoje tento entender porque as pessoas têm essa necessidade de controlar o que os outros gordinhos comem. Eu não saio apontando o dedo pros outros e dando conselhos diversos. Quero ser respeitada também. Se eu tô comendo algo calórico, dane-se. A escolha é minha, o corpo é meu! Sou eu que vou pagar pelas minhas escolhas e não o senhor da padaria.

quinta-feira, novembro 29, 2012

.:MAIS DO MESMO:.

Vou começar contando a verdade: se eu não retomar meu foco, tudo que tinha aprendido sobre reeducação alimentar ao longo desses 1 ano e 10 meses irá para o ralo.
 
A reeducação alimentar não está rolando!
[ao contrário da Gordinha, que está uma bola e, se trupicar na ladeira, sairá rolando fácil, fácil...]

Depois que o Erick nasceu, eu consegui emagrecer bastante! Quase tudo que precisava! Mas daí a amamentação me deixou com tanta fome que eu devorava até as paredes.
Um mês depois do parto.
Estava magrinha!
Pra ser bem sincera, desde que vim aqui contar da minha dificuldade com o período de amamentação, muita coisa melhorou na minha alimentação. Algumas delas:
  • Pelo menos a cada 10 dias, estou visitando o sacolão.
  • Estou sempre preocupada em ter boas opções em casa.
  • Parei de comprar doces (só compro escondido).
  • Não como mais miojo diariamente.
  • Parei de comer toda hora. Toda hora. Toda hora.

Mesmo assim, ainda não estou conseguindo me alimentar de maneira saudável por vários favores.

O maior deles é minha preguiça de usar meu tempo livre para me dedicar a comida. Estou preferindo fazer outras coisas e, quando a fome ataca, preciso me virar com coisas mais rápidas. Por isso, tenho comprado o que posso pronto para o consumo (alface higienizada, cenoura baby, tomate cereja, frutas picadas ou de fácil consumo (uva, morango, banana).

Meu filho, que já completou 4 meses, é um anjinho! Não me atrapalha em nada, não reclama, quase não chora, mas é um bebê e exige muita atenção e tempo. Fico com dó de ficar "gastando" meu tempo na cozinha. Prefiro aproveitar pra curtir meu filho, brincar com ele ou simplesmente ficar com ele no colo. Logo minha licença termina e vou sentir falta de estar com ele.

Outra coisa que atrapalha é minha auto-sabotagem. Onde a Gordinha para, vai comprando doce ou alguma besteira. A sorte é que sempre que saio estou tão cheia de coisa (bebê-conforto, carrinho, mala do bebê, bolsa) que não dá nem pra pegar o cartão na carteira!

Minha médica disse que meu problema da tireóide ainda deve ser observado e pode evoluir ou não para algo mais complicado. Repitirei os exames em 6 meses. O que ela deixou bem claro é que enquanto estiver amamentando, será difícil emagrecer por causa dos hormônios. Ela disse que no começo da amamentação, a mulher emagrece bastante, mas depois para de emagrecer. Dietas são proibidas nessa etapa. Eu não sabia, mas até adoçante deve ser limitado durante o período de aleitamento materno.

Enfim, tudo conspira a meu favor e vou me manter gordinha.

terça-feira, novembro 13, 2012

.:POR QUE ESTÁ TÃO DIFÍCIL?:.

As coisas por aqui só não estão piores porque meu marido resolveu que iria comer direito e está me obrigando [ainda bem!] a fazer o mesmo.

Já faz mais de uma semana que não jantamos "comida". Estamos nos alimentando de lanches. Semana passada teve sanduba de frango desfiado com maionese light, patê de atum com ervilha e frios (presunto magro e mussarela). Coloco em todos os recheios alface, cenoura ralada, cebolinha e salsinha. Tudo no pão integral.

Para mim, sinceramente, essa mudança foi ótima! Não sou mais obrigada a fazer comida, não sujo tanta louça e tenho mais tempo pra fazer as outras coisas, ou seja, mais tempo de ficar com o bebê. [olha só: achei boa a mudança por causa da praticidade e não da qualidade alimentar! viu como anda o pensamento da Gordinha? bem longe do foco...]

O problema é que não fazendo comida na janta, fico com preguiça de fazer comida só para mim no almoço e acabo comendo lanche, fazendo um miojo. O certo seria comer uma carne grelhada com salada, mas a preguiça me impede.

Não tem mais doces em casa. Sinto muita falta, por isso, como barrinha de cereal ou fruta para matar a vontade. Mas, fala sério, nem se compara! Fazer o quê?

Engraçado que mesmo estando mais magra do que quando comecei o blog, está mais difícil de seguir uma alimentação saudável agora.

Não sei. Tenho a sensação que pari toda a minha beleza... Dá pra entender? Não consigo me achar bonita mais. Nenhuma roupa fica boa. Meu cabelo está sempre rebelde. Ô tristeza!

Pra ajudar, fui fazer um ultrassom de tireóide e estou com um probleminha. Pelo que a médica que fez o exame disse, vou precisar tomar hormônio. E o "probleminha" na tireóide é aquele que engorda! Eu mereço, viu! Vamos ver o que dirá minha médica na próxima consulta...

Por causa do baby, estou sem fotos atuais. Todos os flashs são pra ele. Mas na foto abaixo dá pra ter uma ideia do tamanho da minha barriga monstra!


quinta-feira, outubro 25, 2012

.:NEM TUDO ESTÁ PERDIDO?:.

Hoje tomei coragem e subi na balança.

Pra falar a verdade-verdadeira, eu já tinha encarado a maledeta no começo da semana passada. Só não tinha tido a cara de pau de contar aqui.

Antes de falar quanto estou pesando, vou explicar o contexto. (É claro que você não é besta e sabe que pode pular todo o meu blá blá blá e ver lá embaixo o meu peso, mas não faça isso! Vale a pena você tentar entender a história, porque senão você vai acabar me perguntando: esse peso é muito ou é pouco, hein?)

Início do blog: 79kg.

Quase um ano depois, seguindo a reeducação alimentar: 72kg. Foi quando engravidei.

Na gravidez, o peso oscilou bastante. Fui de 70kg a 80kg (no final).

Tive meu bebê há três meses e cheguei a ficar com 73kg, um a mais de quando eu engravidei. Estava ótimo. Podia ter ficado por aí, né?

Acabei me deixando levar pelos antigos hábitos engordativos e abusei nos doces e nas beliscadas. Amamentar dá muita fome, mas também foi fraqueza da minha parte.

Uma semana atrás, estava com 77kg.

Mas hoje (o que conta é HOJE pessoal!) estou com 75,4kg. Subi na balança umas quinhentas e cinquenta e sete vezes pra ter certeza porque eu achava que estava chegando nos 80kg.

Então, fiquei muito feliz porque nem tudo está perdido e muito triste porque acabei percebendo que esses 3,400kg que engordei foi na barriga. Sério! Continuo com barriga de grávida. Tá um horror!

Pior é que quase todo mundo que conheço e teve bebê tem barriga. Eu não queria, viu?

E agora, será que existe MILAGRE dieta pra queimar só a barriga?

segunda-feira, outubro 22, 2012

.:E O JOGO COMEÇA:.

Hoje, conforme prometido (pra mim mesma) fui ao sacolão e ao açougue, levando meu pequeno junto, claro!
 
Dá um tchauzinho pras meninas do blog, filho!


Planejei o cardápio e comprei carne suficiente para uns 20 dias. Um ponto pra mim.

Também comprei algumas verduras e legumes para a semana. Batata, alface, milho, cenoura,... Mais um ponto pra mim.

Ainda no sacolão, comprei alguns potinhos com frutas picadas (manga, abacaxi, mamão) e salada de fruta, além de banana e mamão. Três a zero!

Na volta do sacolão, passei no mercadinho e peguei pão integral pra mim e pro Edgar (que também está de volta a reeducação alimentar). Quatro pontos pra Gordinha e Zero pra Gordona

Foi quando de repente passei na sessão de doces do mercadinho e saí pegando bolachas... Depois pensei bem e deixei alguns pacotes. ALGUNS! Outros eu comprei e trouxe pra casa.

E assim voltei ao zero a zero.

Levei uma bronca (merecida) do marido e prometi que não compro mais doces durante a semana.








Ai meu Senhor! Será que eu consigo?

domingo, outubro 21, 2012

.:VOLTANDO PARA O "ANTES":.

Estou uma bola de tão gorda.

Gente-do-céu! O negócio encrespou de vez.

No sábado meu marido quis almoçar na casa da mãe dele. Fui me arrumar e de repente vi o reflexo de uma pessoa gigante no espelho. Claro! Era eu mesma. Fiquei me olhando, procurando alguma coisa, tentanto achar algo bonito em mim. Fui incapaz. Deu vontade de chorar, de gritar, de chamar a Carminha pra me dizer umas boas verdades...

Pra te assustar ilustrar como estou redonda-redonda, segue uma montagem da minha atual situação.


Comecei a procurar alguma coisa no guarda-roupa que me deixasse apresentável. Provei uma, duas, dez roupas. Nada ficou bom. Respirei, contei até cinco mil duzentos e nove e escolhi a menos pior.

Antes de retomar a reeducação alimentar preciso descobrir em que estou errando. Comecei a pensar em algumas coisas.

Primeiro: Estou amamentando meu filho e, por causa disso, tenho algumas restrições alimentares. Não posso beber refrigerante e outras bebidas gasosas e nem comer grãos. Também devo evitar frituras, derivados de leite e chocolate, pois todas essas coisas podem causar cólica no Erick.

Fato: Estou evitando tudo, menos o chocolate porque descobri que não dá cólica nele. [Infelizmente pra mim!]


Segundo: Ainda não consegui me organizar para ir ao sacolão semanalmente. Ter um bebê muito pequeno (quase três meses) nos deixa refém dos horários dele.

Fato: Não fiz disso minha prioridade até o momento. Sempre que saio de casa (umas quatro vezes na semana!), vou à farmácia, ao mercadinho da esquina,...


Terceiro: Não tenho boas opções em casa por causa do item anteror e porque não estou cozinhando. Tenho comido comida congelada (nuggets, lasanha, pizza, miojo...).

Fato: Tem dias que realmente não tenho tempo pra cozinhar porque o bebê está exigindo muito da minha atenção. Outros dias, sobra tempo, mas eu prefiro descansar, ficar no computador, tomar um banho mais demorado... A comida é a minha última prioridade.



Mas e agora? O que fazer?

Eu quero muito emagrecer, retomar minha r.a. , entrar nas minhas roupas, me sentir bem de novo. Só que pra isso eu preciso fazer um esforço muito maior do que eu fiz quando comecei o blog em Janeiro de 2011.

Esforço maior porque 1-agora eu tenho que pensar primeiro no meu filho, então, deixei de ser prioridade na minha própria vida e 2- estou totalmente desorganizada na minha rotina alimentar.

Enfim, resolvi reler o blog desde o começo (no pouco tempo que me resta), rever meus Antes e Durante e buscar a força que eu preciso pra RECOMEÇAR!


Chega de blá blá blá e vamos a sequência das ações da ex-futura-Gordinha:

1- Planejar o cardápio semanal.
2- Comprar frutas, legumes e verduras semanalmente.
3- Não ingerir miojo.
4- Parar de comer doces diariamente.
5- Evitar frituras.
6- Lembrar para que serve o fogão. (Afeeeee)


Vou começar atacando os dois primeiros itens! Volto pra postar o cardápio dessa semana.


Se tiverem sugestões de pratos lights e rápidos, estou aceitando!




segunda-feira, outubro 08, 2012

.:ACORDA GORDINHA, ACORDA!:.

O sinal vermelho já acendeu aqui faz tempo.
Estou enorme de gorda!
Nem coragem de tirar foto, eu tenho.
Essa foi um acaso.
As coisas estão feias pro meu lado. Roupas apertadas, falta de vontade de se cuidar, sem coragem de encarar a balança.

Culpa minha. E não adianta passar a mão na minha cabeça porque eu não mereço.

 Tô ensaiando pra escrever aqui desde a semana passada, mas deixei pra postar hoje que é o dia internacional de início de todas as dietas.

Ando comendo muito e de forma errada. Minha alimentação tem sido comida congelada, miojo, pão e bolachas. Bem saudável!

O pior é que estou achando que esse auto-boicote tem raízes na minha perda de auto-estima. Ando tão brava, chata, feia, gorda,.. Em uma palavra: INSUPORTÁVEL. Sério! Se você me encontrasse na rua hoje, era capaz de atravessar a rua só pra não andar na mesma calçada que eu.

[aviso: momento desabafo] Sinto como se tivesse perdido o controle sobre a minha vida. Deixei de ser mulher, esposa, filha. Passei a ser apenas mãe. E mesmo assim, não tenho certeza se exerço bem esse papel direito.

Sei que isso não parece ter a ver com o tema do blog, mas tem, porque desconto toda minha angústia na comida.

Culpo a falta de tempo. Mas é mentira! Quando sobra tempo eu não vou pra cozinha. Corro pro computador e fico lendo coisas sobre bebês e tal.

Reconhecer o problema foi parte importante dessa minha caminhada que vai começar a mudar seu trajeto a partir de amanhã.

Chegamos a parte em que você pergunta pra mim:
- Por que não hoje, Gordinha?

Porque não tenho nada de saudável em casa. Vou fazer compras hoje e rechear minha geladeira com boas opções.

E assim, vou em busca de mais uma história para contar no futuro: como venci minha gula [e recuperei minha auto-estima] durante a amamentação do Erick.

Quem vai assistir essa batalha e ficar na torcida pela Gordinha?


[prometo me pesar amanhã, antes de começar a retomar as rédeas da minha vida]

quinta-feira, setembro 20, 2012

.:ALERTA VERMELHO:.


Sabe quando a criança tá muito quietinha e a mãe desconfia “Que será que ela está aprontando?”. Pois então! 
Percebeu como eu estou ausente do blog?

Posso até usar a desculpa da falta de tempo por conta da maternidade latente, maaaaaaaas a verdade é que o que está faltando é a vergonha na cara
Gente, sem brincadeira, estou possuída pela Gordinha-Louca que reside em mim. São 24 horas por dia mastigando tudo que vejo pela frente, quase um cupim ambulante. Doces e guloseimas estão aparecendo diariamente no meu cardápio! Se não tem em casa, corro na padaria pra comprar com o Erick no colo mesmo.

Não sei mensurar quantos quilos já ganhei porque não tenho coragem de encarar a balança. Minha sorte(?) é que como estou amamentando, acho ainda não engordei muito.

Mas percebo que minhas roupas estão ficando apertadas (ALERTA VERMELHO TOTAL!).

Essa semana fui ao sacolão (vitória!) porque achei que estava atacando os doces e as guloseimas por falta de opção. Resultado: voltei a comer verduras, legumes e frutas. Só que continuo comendo as porcarias também, ou seja, aumentei a quantidade de calorias e não resolvi meu problema. É o fim!

Nesse momento, não quero encarar uma dieta porque a maternidade domina toda a minha força de vontade. Quero viver esse momento intensamente e não ficar podando tanto as minhas vontades. No entanto, não quero engordar demais.

O que eu faço?

quarta-feira, setembro 05, 2012

.:DEDICAÇÃO TOTAL:.

Faz mais de uma semana que “Escrever no blog” está na minha To Do List.

Mas adivinha só qual a tarefa que foi ficando pra depois?

Te garanto que não foi a chatice de “Lavar louça”, nem “Passar algumas roupas do bebê”. É como dizem "primeiro a obrigação" e o blog pra mim é terapia, lazer, diversão.

O Erick está com 40 dias. Só agora comecei a me acostumar com o status de “mãe” (pessoa ocupada em tempo integral).

A gente veste muitos papéis na nossa vida: filha, irmã, esposa, profissional. Entretanto, nenhum deles é tão intenso quanto o papel de mãe. É dedicação total, 24 horas por dia. Descobrir e viver esse papel está sendo emocionante e difícil.

No meu caso, demorei pra entender e aceitar que as coisas mudaram. Queria viver a maternidade e continuar fazendo minhas coisas na hora que eu quisesse. Aos poucos, estou aprendendo que é possível fazer isso, mas não mais no meu tempo. Às vezes, preciso abrir mão de coisas que eu julgava serem importantes. Repito: estou aprendendo a ser mãe e viver a maternidade de maneira plena.

Quem tem ou já teve bebê em casa sabe que a gente faz tudo com um olho no peixe e o outro no gatinho
Um olho no "gatinho" da mamãe
enquanto posto no blog.
Só posso realizar as tarefas, quando o Erick está dormindo porque quando ele está acordado ou ele quer mamar ou quer ficar juntinho “conversando”.

Estou feliz porque outro dia consegui ir ao cabeleireiro. Retoquei minhas luzes, cortei o cabelo, fiz a sobrancelha, o pé e a mão. Estava precisando desse dia de princesa, viu?
No cabeleireiro, esperando pela mamãe.
Minha alimentação está melhor graças a minha família. Meu pai fez várias comidinhas e trouxe pra nós. Separei em em diversas porções e vou descongelando diariamente. (Hoje é dia de lasanha!) Minha mãe fez as compras do mercado pra mim e meu irmão e minha cunhada foram ao sacolão.

Mesmo assim, ainda estou abusando no doce. Todo dia, TODO SANTO DIA, eu como doce. E não é pouco não. Já cheguei a devorar um pacote de bolacha Passatempo em um só dia! Assustador! Mas não consigo parar. Parece que meu corpo precisa de doce.

Alguém viu onde foi que eu coloquei minha vergonha na cara? Tá phoda!

sexta-feira, agosto 24, 2012

.:COISAS QUE NINGUÉM TE CONTA:.


Domingo faz um mês que o meu filho nasceu.

Nesse curto período, fui descobrindo um monte de coisas que ninguém conta quando você está gestante (acho que pra não te assustar antes da hora ou porque ser mãe é tão intenso que tudo fica em segundo plano, menos o bebê, claro!). Se você já é mãe, sabe do que eu estou falando. Se você ainda não viveu essa experiência, não sou eu quem vai te contar. Sempre é bom ter uma pitadinha de segredo nas coisas.

Vou te falar sobre o que todo mundo diz: amamentar é super importante para o bebê e  para a recuperação da mãe. Além de ajudar o útero a voltar mais rápido para o lugar, dizem que também emagrece.

No meu caso, é verdade. Um mês depois da chegada do Erick, estou com o corpitho de antes da gravidez. Talvez com um ou dois quilinhos a mais. Talvez porque eu não estou me pesando. Meu foco está em outro lugar, como vocês devem imaginar. 
Meu foco!
Como disse anteriormente, minha maior dificuldade foi a amamentação. 

Eu estou fazendo de tudo para amamentar meu filho exclusivamente com leite materno. Nos primeiros dias, fiquei muito insegura. Primeiramente, o leite empedrou. Compramos a bombinha e descobrimos que havia “pouco” leite. A médica deu remédio para ajudar na produção do leite. Amamentei com a ajuda da bombinha por algum tempo. Depois, as médicas (pediatra e obstetra) acharam melhor amamentar direito no peito. Sofri. Achava que ele mamava menos do que precisava. Tive dificuldade com a posição, com a pega correta do bebê no seio, mas com muita conversa e apoio do marido, estou conseguindo reverter a situação.
Erick com fome, chupando o dedinho.
Em cima da almofada de amamentação.
Aos poucos, estou retomando as atividades diárias. Tenho muita vontade de sair, bater perna, comer fora, ir ao cabelereiro. Já fui jantar num restaurante japa (depois de esperar 9 meses e meio) e fomos viajar pra chácara.
Olha a cara de felicidade da Gordinha!
Só que não me sinto a vontade para amamentar fora de casa e, por isso, prefiro ficar por aqui. Gosto de amamentar usando na poltrona e a almofada especial para amamentação.

Eu não sabia, mas durante a amamentação, você sente sede, fome, vontade de usar o banheiro e muito sono. Muito sono mesmo! Tenho que ficar com a TV ligada e com o telefone celular na mão. 

Preciso dizer que a FOME é o sentimento que mais me preocupa. Estou comendo muito bem, obrigada. Então, preciso me controlar, consumir mais frutas e verduras e diminuir os docinhos. Pra ontem isso, viu?

quinta-feira, agosto 16, 2012

.:O (PÓS) PARTO:.


Demorei 15 dias para conseguir voltar aqui e contar detalhes do parto e do que veio depois dele.

Quem tem filho e se lembra do primeiro mês de vida do pimpolho, entende um pouco do meu sumiço.

Minha vida tem sido de fraldas, mamadas, soluços, xixis na mamãe, chororô por causa de "fome- dor- cólica- calor- frio- só_Deus_sabe". Como eu disse no Facebook (citar a si mesma é um pouco de prepotência, né?): "Muito amor (pouco sono)".

Claro que tudo é compensado pelo aconchego do nosso Erick❤.

Tenho muita coisa pra escrever, então vou dividir em itens.

O PARTO

Eu estava disposta a tentar o parto normal, lembram-se? Mas quando fui fazer o ultra-som no dia 25 de julho, a médica percebeu que o bebê não havia crescido de uma semana pra outra e achou melhor marcar a cesariana pro dia seguinte (26/07). Como eu confio demais na médica, aceitei a decisão, pensando na saúde do bebê.

Fiquei uma pilha de ansiedade. Dormi mal naquela noite. Só pedia pro bebê vir com muita saúde. Meu pensamento estava fixo no ❤Erick❤. Nem lembrei na cirurgia em si.

Até que chegou a hora.
Depois que eu coloquei aquele aventalzinho ridículo, entrei em desespero. O medo me tomou de uma forma que só consegui voltar a me acalmar depois que tudo terminou. Meus médicos ficaram surpresos com minha reação porque eu estava nervosa demais.

Todo mundo diz que a anestesia não dói nada, mas eu senti dor, chorei e reclamei muito durante a aplicação. Assim que parei de sentir minhas pernas, comecei a tremer descontroladamente. Foi nessa hora que deixaram meu marido entrar. Tentei me acalmar com a presença dele, mas minha adrenalina estava a mil.

Logo (logo mesmo!) chamaram para que ele fosse ver❤Erick❤. nascer. Na hora, dá muita raiva de estar anestesiada porque você quer pegar seu bebê no colo, beijar, olhar ele inteirinho. Tiramos fotos, o Edgar saiu e eles terminaram o serviço.  
Duas horas depois, eu voltei pro quarto e reencontrei meu marido. Não tinha dor, apenas um incomodo na região do corte, mas ficava repetindo pras enfermeiras "eu não quero sentir dor, eu não quero sentir dor". E realmente não senti dor. O corte ficou bem inchado e dolorido, mas nada de dor intensa.

Para receber alta, eu precisava fazer meu intestino funcionar e, por isso, precisei caminhar pelo andar em que eu estava. Acontece que no meio do corredor havia uma balança e, claro, não aguentei e resolvi me pesar, achando que eu teria perdido uns bons 3kg, maaaaaaaaaaaaaas a maledeta acusou um horrendo 79kg pra minha tristeza. [Durante a gravidez, cheguei a pesar 80kg.]
Ficamos no hospital de quinta a tarde a domingo de manhã. Antes de receber alta, tomei um Noripurum na veia e uma dose de vitamina B-12 no bumbum, aquela injeçãozinha dolorida que tomei a gravidez todinha.

O PÓS-PARTO
Minha recuperação foi ótima. Meu marido ajudou muito, foi super paciente com minhas limitações e assumiu desde o primeiro minuto a função de pai. Um fofo! 

Depois que tive alta do hospital, voltei pra casa da minha sogra, onde estava morando há dois meses e fiquei por lá até o ❤Erick❤ completar 15 dias. 

Mesmo com o corte, saí da maternidade tomando banho sozinha. Aos poucos, fui conseguindo me movimentar melhor, fazer as coisas que eu precisava, dormir de lado, andar mais depressa, etc.

Dez dias depois da cesariana, tive consulta com minha obstetra. Ela me liberou para voltar pra casa e dirigir. Imagina minha alegria! Depois de 2 meses e meio, eu ia FINALMENTE poder dirigir.

A única coisa chata foi que acumulou uma gordurinha dentro do meu corte e ela precisou fazer uma punção. Pois é. Eu chorei feito criança porque doeu pra cacete caramba.

Aproveitei que estava por lá e resolvi me pesar. Apesar do susto que levei na pesagem pós-parto do hospital, tinha esperança de ter perdido alguns quilos e dessa vez eu estava certa. Em dez dias, perdi 5kg. Fiquei super feliz.

Quando voltei pra casa, reencontrei minha velha inimiga amiga e resolvi me pesar novamente. Em quinze dias, cheguei aos 73,7kg (-6,3kg). Sei que o resultado se deve ao fato de eu estar amamentando.

Amamentar é muito importante para a mãe e para o filho, mas eu confesso que foi nesse assunto que encontrei maior dificuldade até então. Só que dificuldades existem para serem superadas, por isso, estou enfrentando de frente com muita ajuda do maridon.

Ser mãe é maravilhoso e um pouco difícil.

quarta-feira, agosto 01, 2012

.:ELE CHEGOU!:.

Depois de nove meses de espera e muita expectativa, o ❤Erick❤ chegou!

Ele nasceu no dia 26/07 às 22:35 de parto cesarea.


Não contei antes porque fui fazer um exame no dia 25 e a médica falou: é amanhã! Imagina só! Fiquei uma pilha.

Graças a Deus, correu tudo bem. Estamos felizes e apaixonados pelo nosso filhote ❤Erick❤.

A rotina mudou bastante e quase não tenho tempo de entrar na internet. Durmo pouco por causa das mamadas, mas vale a pena! Estamos nos adaptando a essa fase.

Em breve volto pra contar mais sobre o parto e a dieta que estou seguindo po causa da amamentação.

quarta-feira, julho 25, 2012

.:ANTES E DEPOIS DA DIETA DE ENGORDA:.

Yes, we can!

Exatamente um mês depois de começar uma dieta rica em açúcar e carboidratos pude ver o resultado.

Ainda não sei o quanto a mudança alimentar trouxe de benefícios para o Erick, que precisava engordar um pouquinho.

Mas sei o que significou pra mim: 5kg a mais, Graças a Deus! (?)

Tá, eu sei que você vai deixar um cometário fofo dizendo que eu vou perder tudo isso depois, na amamentação e tal... Mas eu gostaria que você entendesse o que significa pra MIM ter que fazer uma dieta de ENGORDA. 

Acompanhe o pensamento da Gordinha: eu tenho um blog sobre emagrecimento, já fiz dieta da sopa, segui o programa do Vigilantes do peso, fui para um SPA, tomei Herbalife, fiz promessa pra São Longuinho (só que ao contrário, pra perder quilos e não achar nada!) e até reduzi o estômago.

Então, quando finalmente consigo perceber que a reeducaão alimentar é o caminho do bem , aprendo a comer bonitinho e emagreço (sem dietas e ou receitas milagrosas), engravido e tenho que engordar.

Tipo assim: coisa pra deixar a gente MA-LU-CA! Fala sério!

Confesso que até estou achando que os quilinhos a mais me deixaram redondamente bonitinha.

Veja o antes e depois da dieta de engorda: 
FOTO 1: de blusa branca e azul
Data: 25/06
Mês: Oitavo
Semana: 34
Peso: 75 kg
Peso do bebê: 1,911 kg

FOTO 2: de blusa preta
Data: 23/07
Mês: Nono
Semana: 38
Peso: 80 kg
Peso do bebê: +2,444 kg (peso da semana passada)


Chegado a reta final e morrendo de medo!

segunda-feira, julho 23, 2012

.:AS TRÊS BOLINHAS DA GORDINHA:.

Três bolinhas. Três bolinhas bem redondas formam meu peso atual.

Pois é. Ontem fui realizar um exame chamado Cardiotocografia (normal nas últimas semanas de gestação) e eis que me encontrei com uma bela balança na porta do banheiro do laboratório.

A Filizola me encarou. Resolvi aceitar o desafio. Não sem antes ir fazer um xixi porque a gente é corajosa, mas nem tanto, vai?

Também tirei o tênis, assim, no meio do laboratório.

No confronto com a balança, vale tudo!

Feito o xixi e com o chulé a mostra, subi na dita cuja e encontrei as três bolinhas bem redondinhas lá.

[pausa dramática no texto]





80kg - oi-ten-ta qui-los!




Pausa, mas não no texto. Pausa em frente a balança.

O que fazer:

rir?
chorar?
chorar de rir?
ou rir de tanto chorar?

Bom, era ordem médica engordar, então, precisei sorrir pelo meu filho. Um sorriso tímido, mas era um sorriso.

Corri pra contar pro marido. Ele resumiu num:
- Que bom!

Então ficamos assim: que bom!

sexta-feira, julho 20, 2012

.:TESTE SEUS CONHECIMENTOS:.

Vamos ver se você já me conhece bem.

Você acha que essa cara (redonda) de alegria se deve ao fato de:

(A) Eu estou feliz por ter chegado ao nono mês da gravidez.

(B) Ah! Com certeza é porque eu fui jantar num restaurante. Gordinha que é Gordinha mesmo adora comer fora!

(C) Eu fiquei feliz porque foi minha primeira saída em 60 dias.

(D) Nada disso. Essa alegria toda é por conta da companhia maravilhosa:

quinta-feira, julho 19, 2012

.:EU TENHO VONTADE DE SOCAR!:.

Tô com uma vontade danada de socar a minha cara de bolacha Trakinas! Sério!

Terça-feira (17/07), completei as tão sonhadas 37 semanas, ou seja, cheguei ao nono mês de gestação.

E melhor ainda, a médica me liberou para sentar, andar e retomar as atividades diárias aos poucos.

Até aí, show de bola! Felicidade a mil.

Maaaaaaas [por que tem que ter sempre um MAS?] estou tendo muita dificuldade em sair do repouso.

Eu sei, você está pensando: Como assim? Essa mulher é doida!

É, eu também estou passada. Não acredito que depois de mais de 50 dias deitada, eu esteja enfrentando tanta dificuldade pra voltar a viver normalmente...

Sabe qual é o problema? O repouso detonou minha musculatura e, por isso, dói tudo. Principalmente as minhas costas.

Daí, quando tento ficar sentada, em pé ou caminhar um pouquinho a dor fica mais forte e eu corro pra cama. "Corro" é força de expressão, claro. Porque tô perdendo na corrida até pra minha vó.

Fala se você também não tem vontade de socar a cara da Gordinha?

sexta-feira, julho 13, 2012

.:ANIVERSARIANTE DO DIA:.

Hoje é meu aniversário. Estou chegando aos 30 anos sem nenhuma crise. Juro!

Não sinto medo de envelhecer porque simplesmente não penso sobre isso.

Passei o dia deitada (como me encontro há 45 dias). Recebi a visita de duas amigas queridas, muitos recados e ligações carinhosas.

Eu adoro fazer aniversário e ganhar presentes, mas esse ano foi diferente. Meu dia foi muito "normal". Sei lá. Teve momentos em que eu até esquecia que era meu aniversário. Olha que isso nunca tinha me acontecido antes!

Enfim, deve ser o momento: a proximidade do parto, da chegada do meu primeiro (coff-coff) filho, o repouso...

Talvez seja a vida me mostrando que nada mais será como antes.

quinta-feira, julho 12, 2012

.:DA SÉRIE: COISAS QUE SÓ ACONTECEM COMIGO:.

Levar bronca porque ENGORDOU pouco.

Fala sério, quantas pessoas (com sobrepeso) você conhece que receberam ordens médicas de engordar?

E pior, mesmo depois de receber carta branca pra comer o que quiser "só" engordaram 400g?

CONCLUSÃO: levei uma bronca dupla ontem, da médica e do marido! Preciso comer mais e engordar um quilo até a próxima consulta.

De acordo com a médica, fui muito comportada durante toda gestação. Vai entender...

Cada dia mais ansiosa pra ver meu rock star!

terça-feira, julho 10, 2012

.:SÓ COMIGO MESMO!:.

RETA FINAL

Ah! Estou feliz. Hoje completamos 36 semanas de pura gostosura gestação.

O que isso quer dizer? Já faz 6 semanas que sai de uma consulta em que a médica diagnosticou um risco grande a um parto prematuro. Lembro que saímos da consulta assustados. O bebê ainda estava com 1,400kg e tinha menos de 40cm. Sabíamos que se um parto acontecesse antes da hora, nosso pequeno Erick ficaria na UTI neo natal por muitos dias. Na época, eu ainda estava no sétimo mês.

Hoje, com 36 semanas, o quadro é mais favorável. Daqui a uma semana, entro no nono mês! A partir de então, nosso lindinho passa a ser um bebê nascido a termo (no tempo certo).

Na consulta passada, a médica verificou que o colo continua curto e, por essa razão, manteve o repouso até a próxima avaliação (que será amanhã). O Erick estava 2,030kg e 43cm. Ele está bem, mas precisa engordar um pouco para ajudar no parto normal.

ESCOLHA DO PARTO

Pois é! Eu decidi TENTAR o parto normal. Afinal de contas, muitas coisas favorecem essa escolha. Entre elas:

- Devido ao meu problema de colo uterino curto, a médica considera que terei um parto normal tranquilo e relativamente rápido.

- A recuperação é mais rápida no parto normal do que na cesária. E você deve imaginar que eu estou LOUCA pra sair da cama, dirigir, passear, né? Não gostaria de ficar mais 15 dias dependendo de alguém.

- A médica diz que há pesquisas científicas que apontam que no parto normal o bebê nasce mais "espertinho" por conta do trabalho de parto, é como se ele se preparasse para nascer.

Bom, ainda estou me cagand* de medo das DORES das contrações, eu confesso! Mas a médica disse que posso mudar de ideia a qualquer momento.

DIETA DE ENGORDA

Para que eu consiga ter um parto normal, o Erick tem que ganhar mais 500g e pra ele engordar, eu preciso COMER-COMER.

Lembra da dieta de engorda do post passado? Então, "melhorou"! DEVO comer doces e muito carboidrato em todas as refeições. Difícil pra burro, hein? Minha cara já tá redondinha...

A médica foi bem clara: é pra exagerar! Ela disse que até a consulta passada, eu tinha engordado apenas 4kg a gestação toda, ou seja, podia me dar ao luxo de engordar um pouco mais nessa reta final. Talvez uns 4 ou 5kg. Eu achei mto, mas por ordens médicas vou continuar comendo meus docinhos...

[ah! finge que acredita que eu tô comendo doces APENAS por ordens médicas, vai?]

quarta-feira, junho 27, 2012

.:PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DESSA GORDINHA: DIETA DE ENGORDA:.

Na segunda-feira (25), passei em consulta com a Dra. Fernanda, uma médica obstetra que está atendendo temporariamente as gestantes de alto risco da minha médica querida, que está em Congresso.

A Dra. Fernanda realizou o exame e pode verificar que o quadro continua igual (colo curto, bebê crescendo dentro do esperado, líquido aminiótico normal). Porém, ainda há risco do bebê nascer antes das 38 semanas, mas o repouso pode prolongar o tempo. Estou com 34 semanas e quero chegar o mais longe possível.

O susto foi mesmo na hora da pesagem: 75kg. Oi(?), como diria minha amiga Lu. Como assim 75kg?

Na consulta anterior, eu estava com 77kg. Desde que estou de repouso, há 25 dias, perdi 4kg.

O estranho é que aqui na minha sogra eu estou me alimentando mais e de forma melhor. Faço 6 refeições por dia: café, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. Como carboidrato, derivados de leite, frutas, legumes, verduras, frios. O doce estava liberado apenas uma vez a cada 2 dias.

Perda de peso sempre foi um motivo a ser comemorado por mim, mas vamos combinar que emagrecer nos últimos meses de gestação não parece algo bom. Soa estranho. Parece que você tá doente, sei lá. A Dra. Fernanda disse que deve ser perda de músculo, por passar o dia deitada...

Ficamos preocupados e resolvemos ligar na médica da redução do estômago, que mandou voltar com todas as vitaminas e cortar o doce totalmente. [putaqueopariu] Fiquei tão arrasada com o boicote ao doce que até chorei.

Ando bem sensível. Qualquer coisa, choro de soluçar.

Retomei as vitaminas (centrum, endofolin, cewin, beneroc e a B12 injetável) e comecei a tentar comer mais.

Regime de engorda total (só que sem açúcar). Dá pra acreditar?

[coisa de Gordinha: comer só tem graça quando rola um docinho pra intercalar com o salgado, né?]

quinta-feira, junho 14, 2012

.:AGORA, SIM! NOTÍCIAS!:.

[sem fotos porque não consigo colocar via iPad]

Ontem sai pra rua pela primeira vez em 15 dias e pude constatar que tudo continua absolutamente igual: cidade cinza, trânsito, motoristas mal educados, todo mundo com pressa... Enfim, São Paulo. A cidade que adoro apesar de tudo.

Eu e meu marido fomos passar em consulta com a obstetra. Estávamos ansiosos para saber se o tal do "repouso absoluto" está realmente funcionando. Já faz quase 1 mês que fui afastada do trabalho, mas a ordem de não-faça-nadica-de-nada só foi decretada há duas semanas.

boas notícias: o repouso está funcionando. Por ficar deitada o dia todo e a cama estar inclinada em uns 15-20cm no pé, o colo do útero parou de ser pressionado pelo bebê e, consequentemente, estabilizou no tamanho. 

Pra você ter uma ideia, na consulta passada o colo tinha diminuido quase 10mm em quinze dias. Pode até parecer pouco, mas é bastante! Acredite.

Além da diminuição do tamanho do colo uterino, tinha o problema do líquido aminiótico aumentado e o bebê estar crescendo muito. Ambos também apresentaram melhoras. Não apenas por causa do repouso. Nesses casos, o que a médica acredita que foi decisivo foi o corte de quase todas as vitaminas. Só ficou o Materna.

Vocês se lembram como eu sempre falava de uma listinha com 10 tipos diferentes de complementos? Pois então, ela acredita (eu tenho certeza!) que a super complementação pode ter feito o bebê e o líquido aumentarem demais.

É claro que minha médica da redução do estômago nem sonha que eu só estou tomando a Materna. Ela só vai ficar sabendo depois do Erick nascer porque só posso sair de casa pra ver a obstetra e fazer exame da sangue. 

Ah! E tem mais: mesmo deitada 95% do tempo, fazendo seis refeições e comendo bem pra caramba (porque minha sogra cozinha muito, viu?), consegui emagrecer 2,100kg. Voltei aos 77kg.

A médica explicou que "perdi" músculo, mas mesmo assim fiquei aliviada porque estava me sentindo uma baleia encalhada a cama. Ainda mais depois que meu irmão Renato veio me ver e falou assim, na lata: 
- Nossa, como você engordou! Meu Deus!

Resumo da ópera da Gordinha: no mínimo, mais 4 semanas de repouso absoluto e mais duas doloridas injeções de uma medicação específica para o bebê.

Enfim, o importante é que apesar de toda a limitação do repouso, está funcionando

Bom demais, fala aí?

sexta-feira, junho 08, 2012

.:MONTANHA RUSSA:.

Quando a médica disse durante as orientações sobre minha situação "O importante é você não se rebelar contra o repouso.", eu ri. Tinha noção que seria difícil, mas daí a se revoltar já era demais...

O tempo foi passando e rapidinho - mas nem tanto - uma semana se foi. 

Percebi que a médica tinha razão porque dá uma vontade doida de se revoltar, levantar da cama, reassumir as decisões da sua vida e voltar a ser ativa como antes. 

Não! Não vou fazer isso. Amo meu filho e sei que o repouso é necessário.

Mas confesso que ainda estou sentindo uma montanha russa de sentimentos. Por um lado, descobri que posso ser forte e determinada. Consigo me adaptar as situações e enfrentar os problemas, ainda mais recebendo todo o apoio e carinho do meu super-marido e da família. Eles estão sendo demais! 

O difícil é depender dos outros pra tudo. Isso é tão complicado. Como já faço uso da boa vontade das pessoas para coisas básicas como me alimentar, tomar banho ou me vestir, fico sem graça de pedir outras coisas. 

Mas quem vive apenas com o básico?

A gente gosta de ir até a cozinha abrir a geladeira e ficar pensando "o que quero comer?". A gente gosta de trocar de roupa no meio do dia, de fazer a unha, de usar uma marca determinada de shampoo, de sair pra comer algo diferente... Enfim, coisas superficiais. Coisas que terei de abrir mão no momento.

Minha sorte grande é que meu marido e minha família estão sempre aparecendo com algo diferente que acaba me distraindo. 

Por tudo isso, eu tenho certeza que depois dessa experiência meu olhar sobre a vida nunca mais será o mesmo. 

domingo, junho 03, 2012

.:MEU MUNDO NA HORIZONTAL:.

Na quinta-feira, 31 de maio, fui a obstetra novamente. Ela fez mais alguns exames e constatou que será necessário fazer repouso permanente até o final da gestação, ou seja, repousar por até dois meses.

Desde que a médica me afastou do trabalho, não sabia ao certo o que era ficar de repouso absoluto.

Ela explicou que eu deveria ficar deitada o tempo inteiro, levantando apenas para ir ao banheiro e tomar banho. Precisaria comer na cama, semi-deitada. Então, eu deveria esquecer tarefas diárias simples como lavar, cozinhar, passar um creme, fazer seu prato de comida...

Por conta de todo esse quadro, meu marido e eu reavaliamos a situação e decidimos ficar na casa dos pais dele até o Erick nascer. Quando a médica me afastou na primeira vez, minha sogra [que é uma fofa e sempre me trata super hiper bem] já tinha nos chamado para ficar aqui, mas achamos que não era preciso...

Aqui na casa deles, podemos contar com um apoio e atenção. Está sendo muito bom, apesar de todas as dificuldades.

Ainda estou no terceiro dia de repouso absoluto, mas já aprendi muitas coisas sobre a vida e a maternidade.

Chorei bastante (bastante mesmo!) no começo.

Ficava pensando no meu filho. Não queria que ele nascesse antes do tempo, de estar "prontinho". Hoje estou com 30 semanas e meia e a médica gostaria que eu chegasse até a 36a semana, mas nossa torcida é para completar as 38. Faremos o possível para isso.

Ficava pensando no meu marido sobrecarregado com todas as tarefas da nossa família, as pressões do dia-a-dia, o desafio de comandar tudo sozinho, enquanto eu só posso ficar deitada, olhando. [ele tá aguentando firme! fazendo de tudo e mais um pouco, muito fofo!]

Ficava triste quando pensava nas limitações que traria pra família do meu marido. Sem poder sair, passear, viajar, tendo que ficar servindo a Gordinha.

Ainda tenho todos esses sentimentos dentro de mim, mas, aos poucos, a fé e a esperança estão tomando conta do meu coração.

Meu pai me emprestou um tablet e agora consigo me conectar ao mundo com mais facilidade. Esse post, por exemplo, escrevi usando o iPad. Demorei algumas horas, mas saiu. Quem sabe com o tempo eu consiga até comentar nos blogs. Hoje eu só consigo ler... (por isso, continuem escrevendo bastante!)

Enfim, paciência! É a única coisa de que preciso para conseguir vencer mais esses desafio.

terça-feira, maio 29, 2012

.:O QUE FAZER QUANDO NÃO SE PODE FAZER NADA?:.

Essa pergunta tem sido meu dilema atual.

Estou afastada do trabalho há mais de dez dias, tentando ficar em repouso absoluto.

Essa orientação veio depois da minha última consulta. A médica achou que o bebê estava muito grande (e lindo!) e pressionando o colo do útero. Pediu para eu refazer aquele exame chato a Curva Glicêmica de 3 horas.

Refiz o exame no sábado e passei muito mal [Maria do Bairro atacou novamente!]. Quase desmaiei depois de tomar aquele líquido horrível, mas sabia que se eu desmaiasse, teria que remarcar o exame e tomar tudo aquilo de novo. Pedi pra enfermeira chamar meu marido e aguentei firme até o final. O resultado já saiu (aparentemente normal) e tenho retorno na obstetra na quinta-feira.

Ontem eu retornaria ao trabalho, no entanto, a Dra. não autorizou e avisou que o repouso será permanente até o final da gestação - para meu desespero total. 

Sexta-feira, completo 7 meses. Então, estou falando em 2 meses de tortura repouso absoluto.

Eu sei que o importante é a nossa saúde (bebê e mamãe). Faço o que for preciso pelo nosso filho, só que não dá pra dizer que está sendo fácil.

Talvez você possa achar estranho alguém reclamar de ter que ficar deitada ou semi sentada (seja lá o que isso for), o dia inteiro, mas você não tem ideia de como isso pode ser torturante. É um castigo. 

Não posso ficar sentada usando o computador (agora, por exemplo, estou escrevendo semi deitada, com o braço dolorido por causa da posição). Também não posso pegar alguma coisa quando cai no chão (eu sou muito mão furada), não posso pegar uma fruta na gaveta da geladeira porque não posso agachar, nem pegar peso, não posso lavar roupa, arrumar as coisas do bebê, resumindo, não posso fazer nada! 

Tudo está ficando nas mãos do meu marido. Estou me sentindo péssima com isso porque ele trabalha o dia inteiro e, quando chega em casa cansado, ainda tem que ficar fazendo o que eu não consigo fazer. Fico até com vergonha de pedir as coisas. 

Tá bom, posso aproveitar para ler - coisa que eu amo. Mas estou sem livros em casa e não posso sair pra pegá-los na biblioteca. Meu irmão e minha cunhada vão ver se conseguem alguns livros legais pra me emprestar. Meu pai também disse vai trazer uns DVDs pra eu me ocupar assistindo filmes.

E tem outra coisa que me incomoda, o meu afastamento do trabalho foi assim "de uma hora pra outra". Então, não deixei nada encaminhado. Simplesmente abandonei meus alunos, minhas responsabilidades, meus projetos. Isso me deixa ainda mais desanimada. Não tinha planejado que seria assim. Mas não posso fazer nada agora. Paciência.

Nem preciso dizer que com esse quadro todo, a alimentação ficou de lado, né? Eu sei que não estou abusando porque desde a última consulta, fiquei proibida de comer DOCES (embora só tenha apetite pra eles!). 
Aniversário da minha mamis no domingo.
O Erick ganhou o primeiro pedaço de bolo.
Eu adorei porque tive que comer pra ele poder "sentir" o presente...
Na última consulta, a médica me pesou (79kg). Eu engordei 1kg, sendo que 500g foram atribuídos diretamente ao bebê, ou seja, ela achou que estava ótimo e eu também! 

Ainda não inchei. Meu nariz continua batatudo como antes. Continuo usando os mesmos sapatinhos, minhas mãos também estão normais. Isso é ótimo! Porque tinha muito medo de ficar toda inchada.

Bom, é isso. Preciso deitar um pouco. Em breve, volto com outras novidades. 
[Doce ilusão achar que eu terei novidades passando 99% do tempo deitada no sofá ou na cama...]
Olha o tamanho da barrigona!
O cabelo já tá totalmente castanho.
Não vejo a hora de retocar as luzes.

quarta-feira, maio 16, 2012

.:EU *JURO* QUE TENTEI:.

Foi difícil.

Eu juro que lutei de todas as formas: chupei mais de uma dúzia de laranja, comi um saco inteiro de mexerica (mais de duas por dia), tomei um comprimido de 500mg de vitamina C todos os dias.

Mas mesmo com todas as tentativas, não consegui evitar de pegar uma gripe horrenda. Nariz escorrendo, febre, dor no corpo, sono e ouvido tampado. Além da dor nas costas, que tem sido constante.

Poderia dizer que, de certa forma, fiquei feliz porque consegui ficar mais seis meses e meio sem pegar um resfriadinho, mas ficar doente durante a gravidez é phod*. Não pode tomar quase nada de remédio. Então, estou brigando com a gripe completamente desarmada.

Amanhã tenho consulta com a GEO e vou conversar com ela sobre essa situação.

Eu já falei aqui que estou tendo uma gravidez super tranquila e equilibrada (corpo e alma), mas a chegada do sexto mês me trouxe algumas preocupações. Não estou conseguindo mais evitar de pensar na hora da saída: o parto!

Teve uma noite que sonhei que estava no hospital esperando ter dilatação suficiente. Sonhei a noite inteira com essa espera e acordei preocupada, ansiosa e com medo.

Poucas pessoas têm histórias boas sobre parto, então, procuro não expor minha preocupação às minhas colegas para não ouvir mais relatos aterrorizantes.

Essa noite, acordei as 4:00 da matina e fiquei pensando em um monte de abobrinhas do tipo: "será que eu vou me dar bem nesse novo papel? eu não sei trocar fralda, limpar bebê, dar banho...".

Só consegui voltar a dormir depois de uma hora quando percebi que minhas caraminholas não me levariam a lugar algum.

O quarto do Erick está encaminhado, mas ainda faltam algumas coisinhas que eu vou comprar só em junho: prateleiras, nichos e cortina. A cômoda que ganhei da minha cunhada só chega no mês que vem também.

Não me considerem desnaturada, mas eu só comprei UM macacão até agora. O restante ele ganhou da família e dos amigos. Tem bastante roupinha, chinelo, sapatinho. Uma coisa mais linda que a outra! Fico super emocionada quando abro o armário dele e sinto o carinho que as pessoas transmitiram através dos presentes (e muitas vezes penso que eu não soube expressar meu agradecimento!).
Alguns dos mimos que ele ganhou.
Tenho fotografado tudo para mostrar pra ele o quanto ele já é querido antes mesmo de nascer.

Ah! A alimentação... tá uma porcaria! Hoje comprei uma caixinha de Kid Lat de chocolate branco. E comi um. Tá! Na verdade, comi dois.

Tá bom, eu confesso: comi TRÊS!


Foi mais forte que eu!
[Podem começar a arrancar meu couro...]