terça-feira, janeiro 31, 2012

.:O ÚLTIMO DIA DE FÉRIAS:.

Depois de quase 40 dias de pura matata (ah, tá!) e com a monografia ainda inacabada, chegaram ao fim os meus dias de férias.

Tristeza?

Um pouco, mas daqui a seis meses tem mais (recesso de Julho + licença maternidade).

A única coisa chata vai ser dar conta de tudo: dois turnos na escola + monografia + casa + médicos + exames...

Mas nada que uma mulher madura não aguente sem abrir o bico. [Aqui entre nós apenas: não sei se sou muito madura e ainda vivo reclamando.]

Mas vamos falar de coisas boas.

Hoje foi meu último dia de férias e tentei curtí-lo ao máximo com meu marido.

De manhã, ficamos em casa. De tarde, fomos fazer o ultra-som morfológico. O bebê está bem, mas ainda é muito cedo para saber o sexo. A médica arriscou um palpite, porém não deu certeza e falou pra não comprar nada por enquanto. Nossa próxima consulta será no dia 23 de fevereiro. Não vejo a hora.

Depois da consulta, fomos ao nosso Restau-lanche preferido. Comi super bem (não tinha almoçado), mesmo com a dor de dente terrível que me acompanhou o dia inteirinho.
Na volta do restaurante, meu maridon teve que me levar a dentista porque a dor estava insuportável.

Agora, estou bem melhor. Graças ao meu marido que cuida demais de mim. [Obrigada por mais essa, hein Gordinho!]

Aproveitei as últimas horinhas para fazer uma receitinha nada light para aproveitar uns ingredientes que tinha na geladeira. Fiz um bolo de milho sem farinha. Quem quiser a receita, está aqui.

Se quiser algo mais light, confira a postagem anterior.

.:O BOLO DE CHOCOLATE:.

Faz uma semana que eu fiz uma receita que (finalmente) ficou boa. Foi um bolo de chocolate desagradavelmente gostoso.

Eu postei a foto dele e a receita no Facebook, mas achei que valia a pena compartilhar com vocês porque eu consegui substituir o açúcar normal pelo dietético, tornando a receita mais saudável e menos calórica. Mesmo assim ficou super saboroso.

A cobertura eu também modifiquei. Fiz com açúcar diet + margarina + leite desnatado + cacau em pó. O segredo da receita é usar o chocolate do Padre.

Volto a dizer: o bolo ficou muito bom! Vale a pena tentar.
Você pode conferir a receita original no site do UOL chamado Do Mar ao Pomar. Tem um vídeo com a receita e até quem não sabe cozinhar, vai acertar. Eu garanto.

segunda-feira, janeiro 30, 2012

.:E ACABOU-SE:.

Ainda sobre a tal preferencial, a lei número 10048/00 diz que têm direito a atendimento preferencial:

Art. 1o As pessoas portadoras de deficiência, os idosos com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos, as gestantes, as lactantes e as pessoas acompanhadas por crianças de colo terão atendimento prioritário, nos termos desta Lei.

Portanto, de acondo com a lei, toda grávida tem direito a atendimento/senha preferencial, não importando se está no primeiro ou no último mês de gestação.

Se eu vou usar meu direito? Talvez. Quando eu julgar necessário. Afinal, há de ter alguma outra compensação, além do baby, por ter que ficar mais de um ano sem poder pintar o cabelo. [Na foto ao lado, dá pra ver como já estou morena!]


Mudando de assunto, o final de semana foi ótimo. Fiquei os dois dias sem esquentar a barriga no fogão.

No sábado, maridon atendeu minhas súplicas e fomos comer uma coxinha deliciosa numa mega-padaria próxima de casa.



A noite, comemos pizza na casa da sogra, mas eu só consegui comer um pedaço, então o estrago não foi grande.

No domingo, rolou um aniversário na hora do almoço. Achei que fosse me dar bem porque era churrasco e bendita seja a proteína! Mas infelizmente no segundo pedaço de carne a bonitona aqui encontrou uma gordurinha e desencanou de comer.
Já dá pra ver que eu tô ganhando uma barriguinha?
Depois do churras, a galera quis ir a Pizza Hut. Eles pediram três pizzas e eu pedi salada com frango.

Enquanto eles se acabavam na pizza de requeijão com bacon, tive que ouvir o seguinte comentário:
- Nossa, não tô vendo nada light nessa salada...

Respira. Respira! - pensei e respondi educadamente:
- Não se trata de ser light. A questão é ser mais saudável.

O povo não tá nem aí pra alimentação e vem desdenhar dos outros. Isso é uma coisa que eu vejo acontecer direto, mas ainda não entendi o porquê.

E ontem, fui fazer uma visitinha a dentista. Estava com uma cárie devorando a minha alma. Ficamos assustadas com o surgimento repentino da mesma, pois fazia pouco tempo desde a minha última consulta. Acho que tem alguma relação com a gravidez/ gastroplastia porque sou mega cuidadosa com a escovação.

Hoje é meu último dia de férias e tenho um ultrassom morfológico marcado. [Quem sabe dá pra ver se é menino ou menina. Não. Eu não tenho preferência.]

Em relação as férias, queria poder voltar no tempo em que todos os problemas se resolviam com uma simples perguntinha:
- Ô manhêêê, posso faltar amanhã?

sábado, janeiro 28, 2012

.:A TAL DA PRIORIDADE:.

Assim que descobri a pequena grande novidade, consegui um encaixe na médica da redução do estômago e ela me pediu exames de sangue e urina. Eu ainda não estava de férias e fui no dia seguinte bem cedinho (6h20) ao laboratório Campana, próximo de casa.

Tinha esquecido que era rodízio do meu carro.

(Para quem não é de São Paulo: aqui tem um sistema de rodízio de veículos. O meu carro não deve circular pela cidade às quintas-feiras das 7h às 10h e das 17h às 20h. Se andar pela cidade nesse horário, leva multa.)

Como fui bem cedo, tinha esperança de sair de lá até às 7h. Dizem que o rodízio tem tolerância de 10 minutos. Enfim, chegando ao laboratório, eu fiquei com uma baita vergonha de pegar a senha preferencial. Eu sei que tinha direito, mas eu estava grávida de apenas um mês... Sei lá. Encanei. Não peguei. Me ferrei. Levei multa porque saí de lá às 7h20.

No exame seguinte, fui a outro laboratório e, claro, também estava com pressa. Só pelo desaforo da multa, resolvi pegar a senha preferencial, mas confesso que quando chamaram meu número, senti as pessoas me olhando desconfiadas porque aparentemente eu não tinha nenhum motivo para pegar aquela senha. Não tinha barriga, não era senhora, não tinha nenhuma deficiência física...

Contei essa história pra família e meu cunhado Pedrão gentilmente comentou:
- Ai, imagina que engraçada a cara do povo do laboratório pensando: "Desde quando gordinha tem direito a senha preferencial?"...

E se matou de tanto rir... Aliás, todo mundo riu, inclusive eu. Impressionante como na minha vida tudo tem relação com a gordura. Ainda bem que sou uma gordinha assumida. Senão, haja terapia.

O fato é que em breve tenho outros exames agendados, mas ainda não estou confortável com essa tal de prioridade gestante.

Quem sabe até lá eu ganho uma barriguinha?

Ou então posso apelar para o meu vestidinho "grávida de três meses", é!

.:SÓ PRA COMPROVAR:.

Só pra quem ficou em dúvida se eu estava mais uma vez exagerando sobre a continha da farmácia, dá só uma olha na quantidade de vitaminas e remédios que estou usando:


Faltaram o creme anti-estrias e o remédio para enjoo.

Os valores variam entre R$ 9,02 do Beneroc e R$ 67,12 do Cetaphill Hand Cream.

Tá bom para você?

sexta-feira, janeiro 27, 2012

.:RELAÇÃO ENTRE R.A. E GRAVIDEZ:.

Quando você decide seguir uma alimentação mais saudável, a primeira coisa que você faz é ir ao supermercado. Daí você enche o carrinho com produtos light/diet/zero, verduras, legumes e frutas. E quando você passa no caixa descobre que ser saudável custa caro. Caríssimo!

Por exemplo, um pote de geléia custa em média R$5,00. Se ela for diet/light/zero, não sai por menos de R$10,00. Todos os produtos lights são mais caros: iogurte, requeijão, queijo branco, polenguinho. Nada salva, nem mesmo o pão de forma.

Então, um dia você resolve engravidar e, de cara, fica feliz por se livrar da pípula! No meu caso, fiquei duplamente contente porque: (1) não precisava mais lembrar de tomá-la e (2) fiquei livre da conta de R$ 50,00 mensais.

Maaaaaas é claro que ilusão de Gordinha dura pouco e logo a médica da redução do estômago veio com a listinha: ácido fólico, Centrum, Materna, vitamina C, complexo de vitaminas B, cálcio, vitamina B-12 injetável... Além de ter que lembrar de tomar todos diariamente, a conta da farmácia só cresceu.

Daí um dia você realiza seu sonho e fica grávida (que alegria!) e o médico GEO pede para você continuar tomando tudo aquilo e acrescenta mais alguns (Bufferin cardio, remédio para enjoo, Tamarine). Além de um creme anti-estrias (Maternité da Payot), mas esse fui eu que pedi. E a conta da farmácia? Explodiu!

Sei que esse fenômeno acontece com praticamente todas as mulheres, mas estou percebendo que o fato de ter feito a gastroplastia me coloca numa situação mais delicada. Acredito que esse seja um ponto negativo da redução do estômago.

[Viu meninas-bonitas que acham que tudo são flores...Quem tá querendo operar, abra os olhos. A redução do estômago é muito mais do que uma foto de Antes & Depois. Já disse que não me arrependo de ter feito, maaaaas presta atenção que não há escolha na vida sem alguma renúncia.]

A dra. Jô do Instituto Garrido faz questão de me ver todos os meses. Faço exame de sangue a cada 30 dias e as vitaminas não podem faltar. Inclusive, acho que elas também são culpadas pela minha falta de apetite. Verdade! Eu tomo tanta coisa que não fico com fome. É estranho.

Enfim, essa relação ($$) foi a primeira que estabeleci entre esses dois processos que estou vivendo. Detalhe: não comprei uma roupinha ainda e nem tô pensando no enxoval, quarto do bebê, lembrancinhas de maternindade... ai ai ai


Pode falar, viajei demais na maionese?


[PS: Vou tentar visitar todas mais tarde. Antes preciso produzir, pelo menos, quatro páginas da minha monografia. Argh!!]
Primeiro Natal do nosso feijão.
E não é que ele foi o que mais ganhou presente?


quinta-feira, janeiro 26, 2012

.:E A GORDINHA ESTÁ GRÁVIDA:.

[ANTES DE MAIS NADA. Obrigada pelas mensagens de carinho no post anterior. Vocês não têm ideia de quanta energia boa recebo diariamente de cada uma de vocês. Nem sei se mereço tanto. Sou muito grata. De coração.]

Um dos maiores desafios que estou enfrentando durante a minha primeira gestação tem a ver com a alimentação.

Acho que, como toda Gordinha do mundo, pensava que ao engravidar automaticamente ia virar um balão. Sempre comentei que no meu primeiro dia de gravidez, eu ia ficar com nariz de batata e os pés inchariam a ponto de não entrar nos sapatos. Realmente, eu sempre fui um pouco exagerada.

Impressionante como a gente pensa bobagem. Ainda mais depois de passar por um ano de reeducação alimentar.

Aliás, quem está tentando engravidar e está seguindo uma dieta ou tentando a reeducação alimentar, sabe que temos um duplo desafio: emagrecer e controlar a ansiedade tão comum nesse processo. O fato de ter estar tentando engravidar é mais um fator negativo para nossas crises de ansiedade.

Ao decorrer do ciclo, ficava ansiosa e bastante esperançosa, mas controlava bem a boquinha nervosa. Porém, todos os meses que a menstruação vinha normalmente, me sinta completamente frustrada e descontava na comida. Passava dois dias seguidos comendo errado, caindo de cara nos doces. Não adiantava nada, mas a compulsão falava mais alto. Por isso, acho que meu resultado não foi melhor em 2011 (perdi 7g até engravidar).

Daí, em novembro, realizamos nosso sonho. A ansiedade abaixou. Descobri que tinha adquirido muitos hábitos alimentares saudáveis durante o ano e continuei comendo direito. Ignorei essa história de comer por dois. Não tive enjoo, nem sono, nada. Só que também não tinha muito apetite, comia que nem gente magra. Agora, já estou comendo como gente gorda normal.

Sinto muita sede. Bebo de 1,5L a 2L de água por dia. Sem forçar. É muita sede e banheiro toda hora.

Enfim, tudo isso contribuiu para que, de novembro para cá, eu eliminasse mais 2kg.
Com nossos primos no Natal. Mesmo com as festas e as férias, emagreci.
No começo, fiquei assustada, procurando problemas na minha saúde, nos exames. Mas agora sei que a perda de peso aconteceu naturalmente. Sei também que daqui pra frente, o peso deve aumentar. O Dr. Felipe Lazar e a Dra. Maria Cristina (meus médicos GEO maravilhosos) dizem que eu só posso engordar uns 6kg até o final da gestação (depois explico o motivo).

Eu estou comendo de maneira equilibrada, tomo as vitaminas, não exagero no açúcar e no sal, porém, a tal da carne vermelha que é fundamental para o bebê não vai. Só de colocar no prato, fico com náusea. Ah! O ovo de manhã também me deixa mal. Fico querendo vomitar e, por isso, vou ter que colocá-lo em outro momento do meu dia. Tipo assim um ovo cozido no lanche da tarde (bléééé).

Sinceramente, não sei mais o que fazer... Mas vou continuar tentando achar alguma solução.

Sabe que engordar não é algo que me atrai, no entanto, não vejo a hora de ter uma barriguinha. Sabe como é?
Com a futura bisavó no dia em contamos para ela.

quarta-feira, janeiro 25, 2012

.:A PEQUENA GRANDE NOVIDADE:.

Ensaiei tantas e tantas vezes esse texto que agora não sei ao certo como escrevê-lo. Sei o que quero dizer, mas não estou encontrando as palavras... Alguém já passou por isso?
Vamos começar do começo.

Bem, eu nasci em 1982, em Minas Gerais... Ok! Não precisa ser tão do começo assim, né?

Estou enrolando porque não sei ainda como dizer.

Bem, a má notícia é que nos próximos meses eu devo engordar uns 6kg, pelo menos. A boa notícia é que eu não vou ficar triste quando isso acontecer!

Tá, as mais espertinhas já entenderam. As outras que são como eu [que nunca entendem as piadinhas do Facebook], vão precisar de algo mais explícito.

No dia 04 de maio de 2011, escrevi um post chamado No Futuro. Nele, eu fiz uma lista de coisas que eu faria quando chegasse ao peso ideal (65kg). Percebi que mesmo estando com 70kg, já consegui realizar quase tudo que eu queria. Entre elas, destaco a mais especial de todas:
  • (...) e finalmente, engravidar! E engordar tudo de novo, com o maior prazer! 
Nas fotos acima, estou forçando a barriga porque ainda não
cresceu nada além daquelas gordurinhas que eu já tinha.
Pois é, aconteceu um pouco antes de chegar ao peso ideal, mas foi planejado e estamos muito felizes. Faz um tempo que sabemos, no entanto, queria esperar passar o primeiro trimestre para espalhar a notícia pela internet.
O bebê. Segundo ultrassom - 12 semanas.
Agora vocês vão entender melhor porque tantas vitaminas, dieta rica em ferro, proibição de açúcar, sal, refrigerante... Além de médicos e exames constantes.

Embora eu tenha emagrecido 2kg do começo da gravidez até agora (12 semanas), adivinhem só qual será a questão central para a minha saúde e a do bebê?

Sim, sim, sim! Alimentação, claro. Depois eu explico melhor essa parte porque ela é bem mais complicada do que parece.

Vim mesmo para contar a novidade e compartilhar com vocês toda a felicidade que sinto nesse momento.

segunda-feira, janeiro 23, 2012

.:UMA GORDINHA DESESPERADA NA COZINHA:.

Tem coisa mais gostosa do que cozinhar?
Claro que tem. Comer!

Faz uns dias que ando com uma saudade danada da minha vó materna que há muitos anos virou estrela.

Ela gostava de cozinhar e acho que herdei um pouco desse gosto. Minha mãe só vai pra cozinha se for OBRIGADA. Já meu pai, gosta de cozinhar, especialmente carnes.

Eu não sei fazer praticamente nada de cabeça. Gosto de fazer coisas que tenho vontade de comer. Não importa se vai dar trabalho ou não. Comecei a cozinhar tentando fazer nhoque. Imagine uma pessoa que NUNCA cozinhou na vida, tentando fazer nhoque. Até que deu certo, mas só eu tive coragem de comer.

Agora, eu já sei fazer arroz, feijão, ovo frito e mais algumas receitinhas do dia-a-dia. Mas estou sempre inventando moda. Quando cismo de fazer alguma coisa, pego a receita na internet e vou em frente. Quase sempre dá certo.

Minhas últimas peripécias foram:

- Pão caseiro (BOM)

- Risotto de arroz integral com frango (MEIA BOCA)
- Doce de abóbora diet (MUITO BOM)

- Esfiha (MEIA BOCA)

- Pudim diet de banana (DIFÍCIL DE DIZER)

Nestas férias, ando cozinhando bastante. Mas quantidade não é sinônimo de qualidade, ou seja, nem todas as receitas ficaram boas.

Hoje é um dia assim: TUDO que eu fiz na cozinha deu errado.

Daqui a pouco meu marido chega pra jantar e eu tenho certeza que vou ter uma crise de choro.

De manhã fiz o pudim diet de banana e ficou... sei lá! Estranho. Molegato, como diria minha sogra.
Para o jantar, fiz uma carne com legumes. Empapou. Ficou feia.
Depois, apelei pro bom e velho macarrão ao alho e óleo. Credo! Ficou horrível.
Joguei um molho branco por cima para tentar consertar e fud^#$% de vez.
Até os nuggets que eu fritei, ficaram duros.

Meu Deus! Que raiva!

Preciso me recompor para poder ir até a padaria ou vai rolar um miojex mesmo. Coitado do Edgar!

sexta-feira, janeiro 20, 2012

.:A VIDA DA GENTE:.

Sabe aquele dia digno de capítulo de novela?

Pois é. Hoje foi assim.

Primeiramente, vamos a cena principal. Fui a médica que faz meu acompanhamento da redução do estômago.

[A Kinha me perguntou porque eu não troco de profissional, considerando que tenho medo dela. Bem, eu preciso dizer que para algumas coisas, eu só funciono sobre pressão (meu marido sabe bem!). Eu já contei que sou uma pessoa mimada. Gosto de fazer as coisas no meu tempo e do meu jeito. E daí quando eu pego algo que precisa ser feito, mas eu não estou afim, tudo desanda.

Por isso, quando eu passei em consulta com a Dra. Jô pela primeira vez, eu fiquei assustada, porém não demorou para eu perceber que ela era exatamente o que eu precisava. Além de ser super competente e saber do que está falando, ela me respeita e quer o melhor para a minha saúde. Sim, ela é brava, fala duro, não tem muita paciência para desculpa de gordinha. Mas é o preço que eu tenho que pagar. O pessoal acha que reduzir o estômago é igual chamar a fada-madrinha e ter seu pedido atendido. Não é. Nós precisamos de acompanhamento constante. É complicado, mas eu escolhi esse caminho e não me arrependo.]

Enfim, continuando... Chegando ao consultório, rolou a pesagem (+ 2kg da balança de casa).
Na verdade, ela marcou o peso de 71,5kg que foi o valor sem o celular na mão.
(Só tirei foto quando fiquei sozinha.)
E depois, paguei maior mico.

No final de semana passado, tive uma crise de constipação e passei a tomar uma colher de Tamarine antes de dormir(receitada pelo médico). Então, todo dia pela manhã, tenho ido ao banheiro. Acontece que hoje estava tão ansiosa pela consulta que não fui ao banheiro e, claro, que me deu vontade de ir na sala de espera do consultório.

Quem já tomou Tamarine sabe que não dá pra segurar e eu tive que usar o banheiro. Até aí, beleza. Afinal, 100% das pessoas fazem cocô.

O problema é que bem na hora H, a médica começou a chamar meu nome na recepção:
- Raphaelle... Raphaelle... RAPHAELLEEEEEE!

E eu, dentro do banheiro desesperada. Com medo de perder a consulta. Ainda bem que já estava no final e tal.

Bom, passado o momento COMÉDIA (para os outros), veio o drama: a consulta propriamente dita.

Pra resumir a conversa: a alimentação está péssima.

Sobre o desmaio e a injeção de B-12: Continuarei usando a mesma coisa, mas eu preciso comer melhor (carne, iogurte, leite e ovos). Ela acha que desmaiei porque tive uma crise de hipoglicemia.

Sobre a falta de vontade de comer carne: Não interessa o que eu quero comer. Interessa o que eu preciso (carne, iogurte, leite e ovos).

Sobre comer mais frutas. Tudo bem, desde que batidas com leite ou iogurte.

Sobre o exame com leves alterações: Vou transcrever nossa conversa.
- Dra., reparei que tem um item do exame um pouco baixo, um tal de TSH...
- Está tudo normal. Eu sou a médica e cuido dos exames. Você só tem que cuidar da alimentação. Estamos entendidas?

[Fala sério! Eu podia ter dormido sem essa.]

E por fim, o momento DESESPERO. Estou terminantemente proibida de comer qualquer coisa com açúcar. Só posso sucralose e produtos sem açúcar. E não tem nada a ver com peso.

Na volta, passei no mercado e comprei queijo branco, iogurte, polenguinho, um adoçante chamado Tal e Qual e outras coisas. Também fui ao sacolão comprar frutas que combinam bem com leite (blééééé! detesto).

Aproveitei para comprar um pouco de abóbora e fiz um doce (com o Tal e Qual) para comer com queijo branco. Peguei a receita no Panelaterapia e posso dizer que ficou DELICIOSO.


Se quiser a receita, é só clicar aqui.

quinta-feira, janeiro 19, 2012

.:SEXTA É DIA DE CONSULTA, BEBÊ:.

Toda vez que eu tenho consulta com a endocrinologista do Instituto Garrido, antes de entrar para conversar com a médica, uma das atendendes faz a pesagem.

A balança do consultório é enooooooooooorme. Parece uma daquelas de pesar animais. Sem brincadeira.

Sinto certo receio no momento da pesagem porque: (1) você tem que se pesar de roupa e (2) a atendente fica te olhando com uma cara de "vai logo, menina! eu tenho outras gordinhas pra pesar".

Daí eu sempre pergunto:
- Posso tirar o tênis? E a meia? Vou tirar uma blusa porque estou com duas, tá? Olha, esse brinco é muito pesado, então...

O que acaba acontecendo é algo beeeeeeeeem parecido com a tirinha abaixo:
Mulher de 30: Uma ajudinha: Melhor se livrar de tudo que possa decepcionar na balança.

É assim mesmo que eu faço. Vou tirando tuuuuuuuudo que eu achar que pode alterar o peso (até o elástico do cabelo!), mas sempre dá uma baita diferença da balança aqui de casa.

O jeito é já esperar pelo pior.

A boa notícia é que a médica NUNCA diz nada sobre o peso. Mesmo quando eu estava com quase 80kg, ela não questionava o peso. A preocupação dela é com a alimentação, mais precisamente se está rica em proteína ou não.

Neste caso, estou completamente FERRADA porque ando comendo pouquíssima proteína. E aquela dieta maluca que ela me deu, hein? Passou longe da cozinha aqui de casa.

Pra ajudar, vou ter que contar a ela sobre o meu episódio a la Maria del Bairro e pedir gentilmente que ela não me receite mais aquela vitamina injetável.

Resumindo: ela vai acabar comigo! [eu já contei que tenho medo dela]

[Volto pra contar como foi a consulta, se eu sair de lá viva.]

.:PALAVRAS APENAS:.

Treze mil quatrocentos e cinquenta e nove.
(Quem me dera esse fosse meu salário! $$)

O número não se refere a valores, nem a quantidade de visitantes, nem em dias que faltam para eu ficar magra... :(

Estou falando de treze mil quatrocentos e cinquenta e nove palavras.

É esta modesta quantia que eu usei até agora para escrever minha monografia. Em laudas, incluindo capa, sumário, bibliografia, introdução e um capítulo ainda não finalizado, temos 55 páginas recheadas de... palavras, claro.

Ainda falta taaaaaaaaaaaanto. É meio desesperador. Dá uma ansiedade. E Gordinha com ansiedade é phod*! Ataca a comida.

Minha sorte é que em casa não tem opções calóricas. Que pena! O maridão resolveu entrar na dança da reeducação alimentar e eu estou sendo "obrigada" a dançar junto. [Ainda bem porque do jeito que eu ando ansiosa, voltaria para os 79kg em dois tempos!]

Hoje me pesei e vi um peso maravilhoso 69,8kg. Não tô levando muita fé nessa balança de casa, por isso, nem vou atualizar a barrinha do peso ao lado. Vou esperar o peso se manter por mais alguns dias.

Hoje, assim como ontem e anteontem e ..., vou rechear minha monografia com mais algumas palavras. Desculpem a ausência nos blogs, mas sempre que posso estou lendo todas vocês (mesmo sem conseguir comentar).
Janeiro de 2011 com cerca de 79kg.

Janeiro de 2012 chegando nos 69kg.


terça-feira, janeiro 17, 2012

.:VALE A PENA:.

Ontem completamos mais um ano de casamento. O segundo de muitos que virão.

Quem já casou sabe que a fase "pré-casamento" é uma das mais tensas da vida de uma mulher.

São tantos detalhes que deixam a gente louca. Mas vou dizer uma coisa: vale a pena.

Vale a pena fazer dez mil orçamentos e fechar com o primeiro que você visitou. Ficar igual doida de um lado para o outro, ligando a cada cinco minutos para sua mãe. Vale a pena ficar duas horas escolhendo o TOM do branco do seu vestido, esconder o modelito que vai usar, ficar horas na internet olhando buquê, sapato, lembrancinhas. Vale a pena ter ideias originais que seus convidados nem vão perceber.

Tudo vale a pena porque, no fundo, o que importa mesmo é que você vai se unir com a pessoa que mais te faz feliz no mundo na presença de todos que amam e torcem demais pela felicidade de vocês.

Eu casaria todo ano, todos os dias. Minha única condição seria casar sempre com o mesmo marido porque é ele que faz tudo valer a pena.

[Te amo, Edgar. Eternamente.]


Comemoração especial ontem.
Fomos a uma cantina chamada C que sabe... no Bexiga. Uma delícia!
E comemos bem-casados da mesma fornecedora do casamento.
Surpresa que fiz pro marido que adora esse quitute.


.:RIR PRA NÃO CHORAR:.

Impressionante como me identifiquei com essa tirinha!


Mulher de 30: Comprinhas para emagrecer.

sábado, janeiro 14, 2012

.:AS CARAMINHOLAS DA GORDINHA:.

No retorno das festas, vim comemorar aqui no blog toda a minha alegria em constatar que eu havia emagrecido numa das épocas mais complicadas do ano.

No mês de dezembro, eu consegui a façanha de emagrecer quase 2kg. Foi praticamente um feito histórico porque sempre engordo no verão.

Enfim, passado todo esse momento de felicidade, veio a vida normal de uma Gordinha de férias.

Pra mim, férias têm sido sinônimo de produção de texto [a tal da monografia]. E ficando em casa a maior parte do tempo, já contei que estou sempre indo do escritório para a cozinha e da cozinha para o escritório. Um perigo! (E tô comendo doce todo Santo Dia!)

Minha surpresa é que a balança continuou marcando 70,5kg. Às vezes, até menos!

Fiquei primeiro inocentemente feliz.

Depois, a Gordinha aqui teve seu momento Maria do Bairro II.
Fiquei pensando desesperadamente:
- Putz! Que merd*! Será que a balança quebrou e eu tô me achando a magrela do oitavo andar?

Pelo que pude verificar, nada de errado com a minha companheira de aventura.

Então, ontem fui fazer exame de sangue e peguei o resultado hoje. A príncipio, nada alterado. Só uma coisa ou outra mais baixa, mas ainda na média. Um dos itens que está baixo é um tal de TSH. O Google me contou que é o hormônio da tireoide, então, comecei a encher a cabeça de caraminholas.

Sexta-feira tenho retorno na médica e vou querer entender muito bem porque não estou engordando (mesmo sabendo que não estou comendo tão bem como deveria!).

Caramba, nunca pensei que "não engordar" poderia ser um problema.

Vai entender!

[Atualizei o post sobre a gordinha na praia com algumas fotocas.]

sexta-feira, janeiro 13, 2012

.:MARIA DO BAIRRO ATACA NOVAMENTE:.

Houve um tempo em que meu apelido era Maria do Bairro (não acredito que vou contar isso aqui...). Você pode imaginar por que?

Digamos que eu era meio melodramática, sofredora, indecisa. Uma verdadeira novela mexicana ambulante. Melhorei muito. Mas acho que de alguma forma, a Maria do Bairro ainda mora em algum lugar dentro de mim.

Ontem eu vivi um momento bem no estilo mexicano. Fui tomar a segunda dose da injeção de Citoneurim (vitamina B-12) que a médica da redução do estômago receitou. Só pra lembrar, meu exame de sangue acusou uma leve falta de B-12 e ela receitou 6 vitaminas + injeções MENSAIS. Uma coisa super agradável!

A primeira dose eu tomei no dia 16 de dezembro e achei que a farmacêutica estava nervosa demais. Fiquei insegura. Fora que doeu pra caramba. Não apenas a picada no bumbum como o líquido! Sai de lá prometendo não voltar àquela fármacia.

Conversei com algumas colegas que me indicaram uma farmácia pequena perto de casa. Foi nela que fui ontem. De cara, adorei a farmacêutica. Senti segurança. Começamos a conversar e ela contou que o namorado também vai fazer a redução do esgtômago. Eu estava tranquila, confiante, mas... Doeu! E muito. Não a picada, mas o líquido. Entrou queimandoooo! Deu uma vontade de gritar. Desejei que meu marido estivesse comigo.

Se fosse só isso, estava ótimo. O problema é que quando terminou a aplicação, sentei numa cadeira mesmo com dor no bumbum e comecei a passar mal. Deu ânsia, deu sede, deu calor. A vista começou a escurecer, as vozes foram ficando longe. Eu só pensava:
- Meu Deus, se eu desmaio agora, vou cair dessa cadeira e essa mocinha não vai aguentar meu peso. [Pensamento de Gordinha!]

Fiz de tudo pra manter o último fio de consciência. Consegui, mas precisei deitar no chão da farmácia (não tinha maca) pra me recuperar totalmente. Quero nem ver como vai ser no mês que vem!

Fala sério, não parece capítulo de novela mexicana? Que mico! Mais um pra coleção...

E hoje eu fui fazer exame de sangue. Só pra não correr o risco de desmaiar de novo, pedi para ficar deitada durante a coleta.

Coisas de Maria do Bairro...

quarta-feira, janeiro 11, 2012

.:COMO DIZER A UMA PESSOA QUE ELA ESTÁ ENGORDANDO:.

[Putz! Duvido que você leia até o final...]

Desde o começo dos tempos ou - pra ser sincera - desde que criei o blog, ficou claro para mim que a consciência sobre a reducação alimentar seria um processo, ou seja, nada que poderia ser resolvido de uma hora para outra, nada de milagres. Nada de ideia mirabolante.

Demorou um ano para eu tornar padrão o que antes era exceção. Por exemplo: aumentar a ingestão de frutas, legumes, verduras e evitar doces, refrigerantes e frituras.

Um ano se passou, muitas coisas mudaram na alimentação e com 9kg a menos fui a praia no final de semana passado.

E pela primeira vez na história desse país, tive coragem de ficar de biquíni na praia. Ééééé! Mostrei minhas gordurinhas a quem se aventurasse a olhar.

Você deve estar pensando que antes eu ia a praia de maiô, mas não! Eu costumava ir de roupa mesmo. Tipo assim: bermuda e camiseta.

Ia de roupa e ainda ficava embaixo do guarda-sol lendo. Entrar no mar? NUNCA. Só de pensar em desfilar minhas gorduras do guarda-sol até a água do mar, já morria de vergonha.

Mas dessa vez foi diferente. Não apenas porque eu era a mulher mais "magra" da turma (ui!), mas porque (1) vi que as outras não tinham vergonha delas mesmas e (2) eu estava me sentindo bem com meu corpo, mesmo eu ainda sendo uma futura-ex-gordinha.

Fiquei de biquini, tomei sol e me senti livre dos meus próprios preconceitos e julgamentos.


Agora você me pergunta: Ô Gordinha! O título do seu post não tem nada a ver com o que você contou até agora! Dá pra explicar?


Bem, na verdade, eu passei o final de semana inteiro pensando em Como Dizer a Uma Pessoa que Ela Está Engordando.

O problema é o seguinte: desde que comecei a emagrecer, tenho reparado mais nas pessoas ao meu redor, família e amigos principalmente. O que vejo é que, salvo alguns casos específicos, todos estão engordando.

Na época das festas, revi muita gente e fiquei assustada com a mudança. Assustada e incomodada. Confesso que fiquei morrendo de vontade de falar alguma coisa, comentar da minha reeducação alimentar de novo (porque no geral todo mundo sabe), provocar alguma discussão a respeito. Não que eu me incomode de ver as pessoas gordinhas. Nunca! Mas eu sei como é ruim não entrar mais nas roupas do guarda-roupa, encarar o olhar inquisidor dos parentes, aguentar apelidos indesejados, procurar por dietas milagrosas que acabem com nosso vício da noite para o dia...

Porém é justamente porque eu já estive nesse lugar (de pessoa que engorda mais e mais a cada dia) que sei que não posso dizer que a pessoa está mais gordinha sem magoá-la. Pense nas vezes que fizeram isso com você. Alguma delas serviu de estimulo para você querer mudar? Se você for como eu, a resposta é NÃO. A maioria das vezes ficamos ainda mais frustrados, tristes e, claro, descontamos tudo na comida.

A Ju, uma abençoada que apareceu aqui no blog hoje(!) como a seguidora número 401, deixou um recado incrível enquanto eu rascunhava esse texto. Ela citou um texto que eu escrevi há algum tempo por aqui e que explica direitinho porque nós NÃO devemos dizer que alguém está engordando.

"As pessoas se acham no DIREITO de dizer que uma pessoa é gorda. Sempre tive vontade de responder:
- Sou gorda, mas não sou burra. Tenho espelho em casa e sei como ele funciona.

Será que as pessoas pensam que a gente não sabe que é gordinha?"

Bom, já que fui eu mesma quem escrevi a citação acima, não pega bem contrariá-la, né?
[Seguindo a promessa: hoje começo visitar todos os blogs e termino até amanhã a tarde. Se eu não visitar o seu, pode deixar um recado cobrando a Gordinha!]

sexta-feira, janeiro 06, 2012

.:FÉRIAS:.

Janeiro é o mês em que oficialmente tiro férias. Em Julho e Dezembro, eu também descanso um pouquinho, mas são apenas alguns dias de recesso.

Vida de professora tem isso de bom [pelo menos até agora!].

Como eu ia dizendo, minhas férias começaram oficialmente no dia 01 de janeiro. Estar de férias é ótimo, mas... É claro que precisa ter um MAS, se não, qual é a graça da vida?

Enfim, estar de férias apesar de ótimo, tem seu lado problemático. Como eu preciso parir minha monografia, fico a maior parte do tempo em casa.

Quem é gordinha como eu, já se percebeu o perigo que é ficar o tempo todo em casa: passo o dia indo do ESCRITÓRIO PARA A COZINHA e da COZINHA PARA O ESCRITÓRIO. Estou tentando me controlar, mas a ansiedade de ter que produzir um texto é grande.

Além disso, o maridão não vai tirar férias agora, então, esse ano não vai rolar viagem especial de última hora... Viagem só de final de semana e olha lá!

Esse final de semana em especial, vamos para a praia. Não gostamos muito de praia, areia, maresia (ok, pessoal, pode começar a atirar...), porém topamos o passeio pela simples razão de curtir um pouco mais a família. Isso é sempre bom, até com maresia.
Com a family especial: nós, meus sogros, meus cunhados e nossa afilhada.

Na semana que vem vou arrumar um tempo para visitar TODOS os blogs.  Tá me fazendo falta.

Bom final de semana a todos.

terça-feira, janeiro 03, 2012

.:O NOVO PESO DA GORDINHA (-9KG):.

Tem como ficar de cara feia depois de subir na balança e descobrir que já se foram quase 9kg desde o início da reeducação alimentar?

E olha que (1) eu me pesei depois do café e (2) ontem abusei um pouquinho comendo nhoque na janta e fazendo a ceia (como eu havia dito, não estava conseguindo comer mais nada depois do jantar).

Mas enfim, aí está o peso novo da Gordinha.

Pesava mais ou menos isso quando comecei a namorar meu marido, em 2005. Ou seja, há mais de 6 anos não tinha esse peso.
Em 2005, os dois com cara de louco.
(Isso não mudou muito...)
Estou feliz!

domingo, janeiro 01, 2012

.:O LADO DOCE DA VIDA QUE NÃO ENGORDA:.

Chega a ser inacreditável o que eu vou contar aqui. Pelo menos, pra mim.

Eu consegui a proeza de emagrecer quase 1kg entre o Natal e o Ano Novo.

Não é apenas isso o que me deixa chocada.

Eu não segui nenhuma dieta mirabolante, nem sequer me preocupei com a comida, simplesmente não encanei! Apenas deixei levar. Comi o que queria, sem abusar.

Não tive vontade de comer a todo momento (como antes acontecia). Não fiquei beliscando e evitei ao máximo o refrigerante, mesmo ele sendo Zero. Podia dizer que não tomei refri por causa do sódio ou porque "descobri" que faz mal, mas seria tudo mentira. Não tomei porque estava me dando muitos gases e não queria ficar cheia de pum. Simples assim.

Mas acho que essa perda pequena - mas muito siginificativa -  numa das épocas mais complicadas do ano é o resultado de um processo iniciado no final do mês de Janeiro de 2011, com a ideia de fazer a tal da reeducação alimentar, registrando todo o desafio diariamente no blog.

Antes de fazer o balanço de 2011, tenho que dizer que a passagem de ano me deixou um pouco triste porque 2011 foi recheado de obstáculos superados e realizações. Foi um ano excelente sobre todos os aspectos.

Uma das minhas vitórias foi na luta contra a balança (na verdade, a luta é contra a própria Gordinha aqui). Mesmo eu não estando ainda no peso saudável, passei de uma Obesidade Grau I para Sobrepeso. Ainda não é o ideal, mas, pelo menos, estou no caminho certo.

Um antes (79kg) e durante (71kg) com a mesma roupa.
Dá pra perceber a diferença no tamanho do braço, pescoço, ombro...?
Toda essa tomada de consciência no aspecto Gordice foi totalmente motivado pelo blog e, especialmente, por vocês. Saber que alguém lê, acompanha, vibra com as vitórias, briga por causa das escapulidas, ri das palhaçadas da Gordinha, dá uma sensação de segurança, bem-estar, conforto.

Aprendi com vocês a valorizar o que temos de bom e a curtir o lado doce da vida (aquele que não engorda, mas traz uma grande felicidade).

Por isso, MUITO OBRIGADA A TODOS VOCÊS QUE ACOMPANHAM O Memórias da Gordinha.


Embora hoje eu viva um momento muito particupar repleto de responsabilidade e falta de tempo [tente escrever uma monografia...], pretendo que 2012 seja um ano com muitas postagens e eu promento(!) voltar a visitar vocês diariamente assim que eu terminar meu trabalho final de curso.



[A boa notícia é que pretendo terminar até o final de Janeiro!]