terça-feira, maio 29, 2012

.:O QUE FAZER QUANDO NÃO SE PODE FAZER NADA?:.

Essa pergunta tem sido meu dilema atual.

Estou afastada do trabalho há mais de dez dias, tentando ficar em repouso absoluto.

Essa orientação veio depois da minha última consulta. A médica achou que o bebê estava muito grande (e lindo!) e pressionando o colo do útero. Pediu para eu refazer aquele exame chato a Curva Glicêmica de 3 horas.

Refiz o exame no sábado e passei muito mal [Maria do Bairro atacou novamente!]. Quase desmaiei depois de tomar aquele líquido horrível, mas sabia que se eu desmaiasse, teria que remarcar o exame e tomar tudo aquilo de novo. Pedi pra enfermeira chamar meu marido e aguentei firme até o final. O resultado já saiu (aparentemente normal) e tenho retorno na obstetra na quinta-feira.

Ontem eu retornaria ao trabalho, no entanto, a Dra. não autorizou e avisou que o repouso será permanente até o final da gestação - para meu desespero total. 

Sexta-feira, completo 7 meses. Então, estou falando em 2 meses de tortura repouso absoluto.

Eu sei que o importante é a nossa saúde (bebê e mamãe). Faço o que for preciso pelo nosso filho, só que não dá pra dizer que está sendo fácil.

Talvez você possa achar estranho alguém reclamar de ter que ficar deitada ou semi sentada (seja lá o que isso for), o dia inteiro, mas você não tem ideia de como isso pode ser torturante. É um castigo. 

Não posso ficar sentada usando o computador (agora, por exemplo, estou escrevendo semi deitada, com o braço dolorido por causa da posição). Também não posso pegar alguma coisa quando cai no chão (eu sou muito mão furada), não posso pegar uma fruta na gaveta da geladeira porque não posso agachar, nem pegar peso, não posso lavar roupa, arrumar as coisas do bebê, resumindo, não posso fazer nada! 

Tudo está ficando nas mãos do meu marido. Estou me sentindo péssima com isso porque ele trabalha o dia inteiro e, quando chega em casa cansado, ainda tem que ficar fazendo o que eu não consigo fazer. Fico até com vergonha de pedir as coisas. 

Tá bom, posso aproveitar para ler - coisa que eu amo. Mas estou sem livros em casa e não posso sair pra pegá-los na biblioteca. Meu irmão e minha cunhada vão ver se conseguem alguns livros legais pra me emprestar. Meu pai também disse vai trazer uns DVDs pra eu me ocupar assistindo filmes.

E tem outra coisa que me incomoda, o meu afastamento do trabalho foi assim "de uma hora pra outra". Então, não deixei nada encaminhado. Simplesmente abandonei meus alunos, minhas responsabilidades, meus projetos. Isso me deixa ainda mais desanimada. Não tinha planejado que seria assim. Mas não posso fazer nada agora. Paciência.

Nem preciso dizer que com esse quadro todo, a alimentação ficou de lado, né? Eu sei que não estou abusando porque desde a última consulta, fiquei proibida de comer DOCES (embora só tenha apetite pra eles!). 
Aniversário da minha mamis no domingo.
O Erick ganhou o primeiro pedaço de bolo.
Eu adorei porque tive que comer pra ele poder "sentir" o presente...
Na última consulta, a médica me pesou (79kg). Eu engordei 1kg, sendo que 500g foram atribuídos diretamente ao bebê, ou seja, ela achou que estava ótimo e eu também! 

Ainda não inchei. Meu nariz continua batatudo como antes. Continuo usando os mesmos sapatinhos, minhas mãos também estão normais. Isso é ótimo! Porque tinha muito medo de ficar toda inchada.

Bom, é isso. Preciso deitar um pouco. Em breve, volto com outras novidades. 
[Doce ilusão achar que eu terei novidades passando 99% do tempo deitada no sofá ou na cama...]
Olha o tamanho da barrigona!
O cabelo já tá totalmente castanho.
Não vejo a hora de retocar as luzes.

quarta-feira, maio 16, 2012

.:EU *JURO* QUE TENTEI:.

Foi difícil.

Eu juro que lutei de todas as formas: chupei mais de uma dúzia de laranja, comi um saco inteiro de mexerica (mais de duas por dia), tomei um comprimido de 500mg de vitamina C todos os dias.

Mas mesmo com todas as tentativas, não consegui evitar de pegar uma gripe horrenda. Nariz escorrendo, febre, dor no corpo, sono e ouvido tampado. Além da dor nas costas, que tem sido constante.

Poderia dizer que, de certa forma, fiquei feliz porque consegui ficar mais seis meses e meio sem pegar um resfriadinho, mas ficar doente durante a gravidez é phod*. Não pode tomar quase nada de remédio. Então, estou brigando com a gripe completamente desarmada.

Amanhã tenho consulta com a GEO e vou conversar com ela sobre essa situação.

Eu já falei aqui que estou tendo uma gravidez super tranquila e equilibrada (corpo e alma), mas a chegada do sexto mês me trouxe algumas preocupações. Não estou conseguindo mais evitar de pensar na hora da saída: o parto!

Teve uma noite que sonhei que estava no hospital esperando ter dilatação suficiente. Sonhei a noite inteira com essa espera e acordei preocupada, ansiosa e com medo.

Poucas pessoas têm histórias boas sobre parto, então, procuro não expor minha preocupação às minhas colegas para não ouvir mais relatos aterrorizantes.

Essa noite, acordei as 4:00 da matina e fiquei pensando em um monte de abobrinhas do tipo: "será que eu vou me dar bem nesse novo papel? eu não sei trocar fralda, limpar bebê, dar banho...".

Só consegui voltar a dormir depois de uma hora quando percebi que minhas caraminholas não me levariam a lugar algum.

O quarto do Erick está encaminhado, mas ainda faltam algumas coisinhas que eu vou comprar só em junho: prateleiras, nichos e cortina. A cômoda que ganhei da minha cunhada só chega no mês que vem também.

Não me considerem desnaturada, mas eu só comprei UM macacão até agora. O restante ele ganhou da família e dos amigos. Tem bastante roupinha, chinelo, sapatinho. Uma coisa mais linda que a outra! Fico super emocionada quando abro o armário dele e sinto o carinho que as pessoas transmitiram através dos presentes (e muitas vezes penso que eu não soube expressar meu agradecimento!).
Alguns dos mimos que ele ganhou.
Tenho fotografado tudo para mostrar pra ele o quanto ele já é querido antes mesmo de nascer.

Ah! A alimentação... tá uma porcaria! Hoje comprei uma caixinha de Kid Lat de chocolate branco. E comi um. Tá! Na verdade, comi dois.

Tá bom, eu confesso: comi TRÊS!


Foi mais forte que eu!
[Podem começar a arrancar meu couro...]

sábado, maio 12, 2012

.:UMA PEQUENA TRÉGUA E UMA BOA NOTÍCIA:.

Sexta-feira foi dia de consulta com a médica do Instituto Garrido.

Achei que a endócrina ia ficar feliz em saber que eu estou tomando Noripurum (ferro) endovenosa uma vez por semana receitada pela GEO. No entanto, fui surpreendida porque ela pediu para eu dar um tempo na medicação e voltar a tomar apenas depois do próximo exame de sangue, ou seja, daqui um mês. Ela disse que agora estou com uma reserva boa e não preciso.

Ela também suspendeu a Vitamina D porque ela disse que o cálcio (Miocalven) já possui essa vitamina. O que eu não contei pra ela é que, de vez em quando, eu não tomo o cálcio porque é em pó e eu não curto muito. Por isso, acho que vou continuar com a Vitamina D por mais uma semana ou duas e ver se eu paro de boicotar o maldito pózinho de cálcio com sabor de limão estragado.

Eu fiquei toda feliz que ela cancelou o Noripurum e perguntei da outra injeção na esperança dela diminuir a dosagem.
- E a B-12? Continuo tomando?
- Sim.
- Mas de 20 em 20 dias? [podia ser uma vez por mês]
- Sim.
- De 20 em 20 dias mesmo? [precisava confirmar]
- Isso!

Ela não é de falar muito... Deu pra sacar?

Eu já sabia que a minha visita ao consultório iria acarretar numa pesagem e achei melhor saber o que estava por vir. Um dia desses, peguei a balança do esconderijo secreto e me pesei. Vi um roliço 78kg aparecer. Respirei fundo e pensei: "Na balança da médica vai dar um quilo a mais. Preciso me preparar pra isso!". Realmente foi o que deu [de roupa: blusa, calça jeans, meias e afins].

Antes de terminar a consulta, me arrisquei:
- O que a sra. achou do peso dra.?


Ela olhou as anotações do peso que a secretária havia feito.
- Dois quilos em dois meses. Está bom.

Isso foi o mais perto que já cheguei de um elogio feito por ela. Então, fui pra casa super feliz.

Estou com uma sensação maravilhosa de que vou conseguir perder esses quilos logo após o Erick nascer porque a reeducação alimentar pra mim não foi uma coisa de momento, mas uma escolha de vida.


[Em breve, volto pra falar sobre o meu primeiríssimo Dia das Mães!]

terça-feira, maio 08, 2012

.:OS EXAMES E A BALANÇA:.

Na sexta-feira passada, eu tinha consulta com a médica que faz meu acompanhamento pós-redução do estômago, mas, pela primeira vez em seis meses, desmarquei a consulta porque eu não tinha feito os exames que ela havia pedido e nem tomado o Noripurum endovenoso. [Tenho nova consulta sexta.]

Todos os meses faço exame de sangue e urina no mesmo laboratório. Quando o exame fica pronto, consigo ver o resultado pela internet e compará-lo com os meses anteriores. Eles chamam essa comparação de laudo evolutivo.

No mês passado, quando peguei o resultado do meu hemograma fiquei arrasada porque observei que vários quesitos (ferritina, vitamina D, cálcio) estavam abaixo do valor de referência.

Na consulta com a obstetra, ela analisou os resultados e me deu mais duas complementações (falei sobre no post pós consulta) que já estou tomando.

Pelo resultado do exame de sangue que fiz na segunda-feira, as coisas começaram a melhorar, mas já percebi que para mantê-lo num nível satisfatório, vou precisar continuar tomando as 11 complementações, incluindo as duas injetáveis.

É o preço que estou pagando por ser uma grávida-ex-gordinha-reduzida-do-estômago.

Amanhã é dia de ficar uma hora no posto de saúde tomando mais uma dose de ferritina [quarta-feira é dia de tomar ferro (ui!)].

É, só que a bonita aqui tá colocando uma banca de corajosa pra tomar as injeções, mas tá "esquecendo" de  dizer que anda morrendo de medo de encarar a maledeta. No momento, ela anda "escondida" embaixo do armário do banheiro.
Já faz um mês que não coloco meus pezinhos em cima dela por puro medo de saber a verdade.

Quem sabe amanhã?

domingo, maio 06, 2012

.:6 MESES:.

No último dia 01, completei 6 meses de gestação. Parece que o tempo está passando depressa.

Estou curtindo muito cada momento e aprendendo com essa etapa especial na vida de qualquer pessoa. Entro em todas as filas preferenciais que posso, converso com desconhecidos que sempre perguntam "É menino ou menina?", bato altos papos com minha barriga e fico imaginando a nossa vida com o Erick.

Embora eu fique sonhando acordada com o pequeno, sinto que a  ansiedade não está me dominando. Se fosse antes, acho que nem estaria dormindo direito. Estou no sexto mês e nem escolhi ainda como será o parto! Isso é um avanço e tanto. Sempre pensei que seria daquelas que marcaria a cesária no momento em que visse o exame de farmácia dar positivo. Será que a maternidade está me deixando mais corajosa? [Seria ótimo!]

Ainda faltam alguns detalhes antes da chegada do filhote: terminar o quarto, comprar (muitos) itens do enxoval e algumas fraldas. Nós ganhamos muitas coisas. Eu fico tão feliz com esse carinho todo que vem dos mais variados (e inesperados) lugares.

E essa semana eu fui tomar minha primeira dose de Noripurum no Posto de Saúde e também tomei a Citoneurim injetável. Uma delícia! Mas necessário. Aproveitei e comprei a vitamina D que a médica me receitou na última consulta. Agora já são 11 complementos vitamínicos. Tá bom pra você?

O final de semana foi ótimo, mas tô comendo muuuuuuuuuuito doce. Muito mesmo! Todo dia, pelo menos, duas porções. Preciso melhorar isso durante a semana.

No sábado, fomos almoçar na Esfiha Imigrantes. Minha avó materna era da Síria e eu adoro comida árabe. Comi duas esfihas, meio kibe e meia porção de tabule.
No domingo, rolou um camarão na moranga delicioso na casa da sogrinha com direito a muito chocolate de sobremesa.
 Energia renovada pra encarar mais uma semana que promete!

terça-feira, maio 01, 2012

.:APRENDENDO A MENTIR:.

Eu sempre gostei [muito] de comer fora.

Com a gestação, esse gosto só aumentou porque não ando topando com a comida que eu mesma preparo. Tem dias que eu erro tudo! Do arroz ao leite com chocolate em pó.

E quanto mais eu erro, mais aumenta a minha vontade de comer qualquer coisa que não tenha sido feita por mim.

Encontrar opções leves e saudáveis nos restaurantes e lanchonetes não tem sido difícil. O problema vem na hora de pedir a bebida.

Antigamente, eu pedia refrigerante zero, mas agora não dá porque os gases acabam comigo (dói mesmo!). Sempre tento pedir chá zero. Mas é praticamente um milagre encontrar!

Quando não posso pedir um chá, prefiro pedir um suco pronto (Dell Valle, SuFresh) sem açúcar, porém, na maioria dos lugares só tem suco pronto com açúcar.

Minha terceira opção (e a mais comum de conseguir) é água com gás que não me causa desconforto.

Suco de fruta natural, eu não gosto muito e, por isso, é minha última opção. Além do problema sério de pedir com adoçante e recebê-lo sempre com um quilo e meio de açúcar.

Ontem fui tomar um mate quente com limão e pedi sem açúcar. Assim que ela me trouxe a bebida, eu perguntei:
- Tá sem açúcar, né?
Ela ficou me olhando com uma carinha de "Ah vai, açúcar é tão gostosinho...".
Eu menti:
- Sabe que é? Sou diabética e não posso com açúcar...

Ela levou a bebida errada e trouxe a certa, sem reclamar.

As pessoas aceitam a restrição alimentar por doença. Mas quando a gente ESCOLHE ser saudável e consumir menos açúcar, elas encaram como frescuraVai entender!