quarta-feira, junho 27, 2012

.:PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA DESSA GORDINHA: DIETA DE ENGORDA:.

Na segunda-feira (25), passei em consulta com a Dra. Fernanda, uma médica obstetra que está atendendo temporariamente as gestantes de alto risco da minha médica querida, que está em Congresso.

A Dra. Fernanda realizou o exame e pode verificar que o quadro continua igual (colo curto, bebê crescendo dentro do esperado, líquido aminiótico normal). Porém, ainda há risco do bebê nascer antes das 38 semanas, mas o repouso pode prolongar o tempo. Estou com 34 semanas e quero chegar o mais longe possível.

O susto foi mesmo na hora da pesagem: 75kg. Oi(?), como diria minha amiga Lu. Como assim 75kg?

Na consulta anterior, eu estava com 77kg. Desde que estou de repouso, há 25 dias, perdi 4kg.

O estranho é que aqui na minha sogra eu estou me alimentando mais e de forma melhor. Faço 6 refeições por dia: café, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e ceia. Como carboidrato, derivados de leite, frutas, legumes, verduras, frios. O doce estava liberado apenas uma vez a cada 2 dias.

Perda de peso sempre foi um motivo a ser comemorado por mim, mas vamos combinar que emagrecer nos últimos meses de gestação não parece algo bom. Soa estranho. Parece que você tá doente, sei lá. A Dra. Fernanda disse que deve ser perda de músculo, por passar o dia deitada...

Ficamos preocupados e resolvemos ligar na médica da redução do estômago, que mandou voltar com todas as vitaminas e cortar o doce totalmente. [putaqueopariu] Fiquei tão arrasada com o boicote ao doce que até chorei.

Ando bem sensível. Qualquer coisa, choro de soluçar.

Retomei as vitaminas (centrum, endofolin, cewin, beneroc e a B12 injetável) e comecei a tentar comer mais.

Regime de engorda total (só que sem açúcar). Dá pra acreditar?

[coisa de Gordinha: comer só tem graça quando rola um docinho pra intercalar com o salgado, né?]

quinta-feira, junho 14, 2012

.:AGORA, SIM! NOTÍCIAS!:.

[sem fotos porque não consigo colocar via iPad]

Ontem sai pra rua pela primeira vez em 15 dias e pude constatar que tudo continua absolutamente igual: cidade cinza, trânsito, motoristas mal educados, todo mundo com pressa... Enfim, São Paulo. A cidade que adoro apesar de tudo.

Eu e meu marido fomos passar em consulta com a obstetra. Estávamos ansiosos para saber se o tal do "repouso absoluto" está realmente funcionando. Já faz quase 1 mês que fui afastada do trabalho, mas a ordem de não-faça-nadica-de-nada só foi decretada há duas semanas.

boas notícias: o repouso está funcionando. Por ficar deitada o dia todo e a cama estar inclinada em uns 15-20cm no pé, o colo do útero parou de ser pressionado pelo bebê e, consequentemente, estabilizou no tamanho. 

Pra você ter uma ideia, na consulta passada o colo tinha diminuido quase 10mm em quinze dias. Pode até parecer pouco, mas é bastante! Acredite.

Além da diminuição do tamanho do colo uterino, tinha o problema do líquido aminiótico aumentado e o bebê estar crescendo muito. Ambos também apresentaram melhoras. Não apenas por causa do repouso. Nesses casos, o que a médica acredita que foi decisivo foi o corte de quase todas as vitaminas. Só ficou o Materna.

Vocês se lembram como eu sempre falava de uma listinha com 10 tipos diferentes de complementos? Pois então, ela acredita (eu tenho certeza!) que a super complementação pode ter feito o bebê e o líquido aumentarem demais.

É claro que minha médica da redução do estômago nem sonha que eu só estou tomando a Materna. Ela só vai ficar sabendo depois do Erick nascer porque só posso sair de casa pra ver a obstetra e fazer exame da sangue. 

Ah! E tem mais: mesmo deitada 95% do tempo, fazendo seis refeições e comendo bem pra caramba (porque minha sogra cozinha muito, viu?), consegui emagrecer 2,100kg. Voltei aos 77kg.

A médica explicou que "perdi" músculo, mas mesmo assim fiquei aliviada porque estava me sentindo uma baleia encalhada a cama. Ainda mais depois que meu irmão Renato veio me ver e falou assim, na lata: 
- Nossa, como você engordou! Meu Deus!

Resumo da ópera da Gordinha: no mínimo, mais 4 semanas de repouso absoluto e mais duas doloridas injeções de uma medicação específica para o bebê.

Enfim, o importante é que apesar de toda a limitação do repouso, está funcionando

Bom demais, fala aí?

sexta-feira, junho 08, 2012

.:MONTANHA RUSSA:.

Quando a médica disse durante as orientações sobre minha situação "O importante é você não se rebelar contra o repouso.", eu ri. Tinha noção que seria difícil, mas daí a se revoltar já era demais...

O tempo foi passando e rapidinho - mas nem tanto - uma semana se foi. 

Percebi que a médica tinha razão porque dá uma vontade doida de se revoltar, levantar da cama, reassumir as decisões da sua vida e voltar a ser ativa como antes. 

Não! Não vou fazer isso. Amo meu filho e sei que o repouso é necessário.

Mas confesso que ainda estou sentindo uma montanha russa de sentimentos. Por um lado, descobri que posso ser forte e determinada. Consigo me adaptar as situações e enfrentar os problemas, ainda mais recebendo todo o apoio e carinho do meu super-marido e da família. Eles estão sendo demais! 

O difícil é depender dos outros pra tudo. Isso é tão complicado. Como já faço uso da boa vontade das pessoas para coisas básicas como me alimentar, tomar banho ou me vestir, fico sem graça de pedir outras coisas. 

Mas quem vive apenas com o básico?

A gente gosta de ir até a cozinha abrir a geladeira e ficar pensando "o que quero comer?". A gente gosta de trocar de roupa no meio do dia, de fazer a unha, de usar uma marca determinada de shampoo, de sair pra comer algo diferente... Enfim, coisas superficiais. Coisas que terei de abrir mão no momento.

Minha sorte grande é que meu marido e minha família estão sempre aparecendo com algo diferente que acaba me distraindo. 

Por tudo isso, eu tenho certeza que depois dessa experiência meu olhar sobre a vida nunca mais será o mesmo. 

domingo, junho 03, 2012

.:MEU MUNDO NA HORIZONTAL:.

Na quinta-feira, 31 de maio, fui a obstetra novamente. Ela fez mais alguns exames e constatou que será necessário fazer repouso permanente até o final da gestação, ou seja, repousar por até dois meses.

Desde que a médica me afastou do trabalho, não sabia ao certo o que era ficar de repouso absoluto.

Ela explicou que eu deveria ficar deitada o tempo inteiro, levantando apenas para ir ao banheiro e tomar banho. Precisaria comer na cama, semi-deitada. Então, eu deveria esquecer tarefas diárias simples como lavar, cozinhar, passar um creme, fazer seu prato de comida...

Por conta de todo esse quadro, meu marido e eu reavaliamos a situação e decidimos ficar na casa dos pais dele até o Erick nascer. Quando a médica me afastou na primeira vez, minha sogra [que é uma fofa e sempre me trata super hiper bem] já tinha nos chamado para ficar aqui, mas achamos que não era preciso...

Aqui na casa deles, podemos contar com um apoio e atenção. Está sendo muito bom, apesar de todas as dificuldades.

Ainda estou no terceiro dia de repouso absoluto, mas já aprendi muitas coisas sobre a vida e a maternidade.

Chorei bastante (bastante mesmo!) no começo.

Ficava pensando no meu filho. Não queria que ele nascesse antes do tempo, de estar "prontinho". Hoje estou com 30 semanas e meia e a médica gostaria que eu chegasse até a 36a semana, mas nossa torcida é para completar as 38. Faremos o possível para isso.

Ficava pensando no meu marido sobrecarregado com todas as tarefas da nossa família, as pressões do dia-a-dia, o desafio de comandar tudo sozinho, enquanto eu só posso ficar deitada, olhando. [ele tá aguentando firme! fazendo de tudo e mais um pouco, muito fofo!]

Ficava triste quando pensava nas limitações que traria pra família do meu marido. Sem poder sair, passear, viajar, tendo que ficar servindo a Gordinha.

Ainda tenho todos esses sentimentos dentro de mim, mas, aos poucos, a fé e a esperança estão tomando conta do meu coração.

Meu pai me emprestou um tablet e agora consigo me conectar ao mundo com mais facilidade. Esse post, por exemplo, escrevi usando o iPad. Demorei algumas horas, mas saiu. Quem sabe com o tempo eu consiga até comentar nos blogs. Hoje eu só consigo ler... (por isso, continuem escrevendo bastante!)

Enfim, paciência! É a única coisa de que preciso para conseguir vencer mais esses desafio.